Rússia lança nave espacial Soyuz do 

cosmódromo de Baikonur

 

AKADEMGORODOK

A última utopia soviética ou um novo vale do silício?

A balcanização da Ucrânia
-

A diplomacia ocidental joga com o território ucraniano pelas costas do governo de Kiev

e em Kiev já não podem entender para onde tudo se move.

 

SPUTNIK CONSULTING

 

 

 

 

 

A BALCANIZAÇÃO DA UCRÂNIA
-
A diplomacia ocidental joga com o território ucraniano pelas costas de Kiev 

 Notícias e publicações Mar/2016

www.sputnik-consulting.com

Novassibirsk, cidade universitária, ciência, tecnologia, pesquisa, arquitetura, urbanismo
Texto
Sérgio Lessa. Dez. de 2015 

Por que a força intelectual, espiritual e cultural da Rússia esta concentrada na Sibéria? O que está acontecendo hoje com este centro de pesquisas mundialmente renomado? Por que as pessoas aqui se recusam a acreditar em uma nova fuga de cérebros?​

A Akademgorodok foi criada em 1957 pelo decreto do lider soviético Nikita Kruchov. O país esperimentava uma onda de euforia desde o final da Segunda Guerra. Neste período os soviéticos acreditavam firmemente na superioridade da ciência e na excepcional missão dos cientistas.

A Akademgorodok foi construída cerca de 30km da cidade de Novossibirsk, local mais adequado para ursos polares do que para empreendimentos cientificos. O inverno em Novossibirsk dura até seis meses, de finais de outubro até abril, com temperaturas frequentemente caindo para menos 40 graus C.        

 

"A fuga de cerebros é proibida"

As placas de trânsito até o parque cientifico da Akademgorodok orgulhosamente anunciam: "fuga de cerebros é proibida". Esta é uma recordação da emigração em massa de cientistas russos nos anos 1990 após o golpe de Estado que impôs um fim a URSS.

 

Domesticando animais selvagens

Na Akademgorodok o geneticista soviético Dmitry Belyaev implementou o seu ideal de domesticar animais selvagens. Os cientistas do instituto de citologia e genética conseguiram desenvolver uma raça de raposas cujo comportamento é próximo ao dos cachorros, a fazenda já produzil mais de 50 gerações de tais raposas.

Hoje, os animais domesticados tomam parte em exibições e filmagens. Há não muito tempo atrás uma raposa fugil de um set de filmagem e se perdeu.   Todo mundo na cidade ficou preocupado, e as buscas ainda estão em andamento, embora seja uma raposa geneticamente modificada para ser mansa, há uma pequena chance de ela sobreviver na selva.

A julgar pelos rastros, os residentes de Akademgorodok acreditamq ue a raposa está viva e anda pela floresta a noite.

 

Livro dos Recordes

A floresta ocupa mais de 70 por cento do território da Akademgorodok. Nesta area selvagem você pode encontrar a “rua mais inteligente do mundo”.

A avenida Academico Lavrentiev entrou para o livro dos recordes porque em seus 2,5 quilometros há mais de institutos de pesquisas cientificas.

 

Moscou está longe mas as inovações estão perto

A Akademgorodog tem tudo, e pega tudo para estudar ciência e desenvolver novas tecnologias. Aqui está sendo desenvolvida inteligência artificial para criar uma ideia melhor sobre o mundo ao nosso redor.

Exatamente como nos tempos soviéticos, a Sibéria é ainda longe de Moscou, tanto em termos de mentalidade quanto fisicamente. E essas diferenças são usadas para tomar suas próprias decisções.

Na metade dos anos 50 os cientistas Mikhayl Alekseevitch Lavrentiev e Serguey Alekseevitch Kristanovitch conseguiram convencer Kruchev da importância da construção no leste do país de um grande centro interdisciplinar, o qual em interação de cientistas de diferentes disciplinas na ciência, nasceria abrindo o caminho para a produção. Esta é, por definição de Keldysh, Presidente da Academia de Ciências, "uma enorme planta científica", deve integrar diferentes áreas do conhecimento em um assentamento autônomo compacto, localizado em uma região vizinha de um grande centro industrial.

Testemunha filmou ataque dos helicópteros Mi24 russos contra o Estado Isâmico

Os planos soviéticos de levar o homem a marte em
1974
 

Construção e utopia

 

Na metade dos anos 50 os cientistas Mikhayl Alekseevitch Lavrentiev e Serguey Alekseevitch Kristanovitch conseguiram convencer Kruchev da importância da construção no leste do país de um grande centro interdisciplinar, o qual, em interação de cientistas de diferentes disciplinas na ciência, nasceria abrindo o caminho para a produção. Esta é, por definição de Keldysh, Presidente da Academia de Ciências, "uma enorme planta científica", deve integrar diferentes áreas do conhecimento em um assentamento autônomo compacto, localizado em uma região vizinha de um grande centro industrial.

 

O conceito é chamado "Triângulo Lavrentiev", ensino, pesquisa e produção. O centro científico foi construído longe das capitais científicas reconhecidas - Moscou e Leningrado, a fim de romper com as escolas científicas reconhecidas e as autoridades existentes, para permitir a migração para lá de jovens cientistas para conduzir de forma independente grandes institutos e laboratórios. Lavrentiev não escondia: "O apoio ativo para as equipes mais talentosas e melhores vai resolver outro problema – limpar a ciência de pseudo-cientistas, das instituições estéreis".

Lavrentiev anunciou seu conceito em fevereiro de 1957, em uma assembleia geral da Academia de Ciências da URSS. Novosibirsk foi escolhida para sediar o Centro de Ciências. Esta cidade não era no momento um centro científico ou educacional da Sibéria, não era nem mesmo uma cidade universitária - esse papel desde meados do século XIX pertencia à velha Tomsk. Distanciando-se das escolas científicas existentes de Moscou e Leningrado, Lavrentyev Hristanovich não queria ver os seus cientistas sob influência dos professores de Tomsk - e recusou o alojamento de Akademgorodok em Tomsk.

 

Em Novosibirsk, havia um outro componente importante do "Triângulo Lavrentev" - um complexo de construção de máquinas poderoso com um viés militar. Ainda na década de 30 na margem esquerda do rio Ob foi construída a maior fábrica na URSS "Sibkombayn", e durante a guerra, a cidade recebeu um grande número de empresas evacuadas. Depois da libertação dos territórios ocupados elas não voltaram para suas cidades de origem: o Conselho de Ministros do país decidiu que cada planta estratégica na Rússia europeia deveria ter uma fábrica-duplicada na Sibéria.

 

Em 18 de maio de 1957, o Conselho de Ministros do país decidiu sobre "a criação do Ramo Siberiano da Academia de Ciências da URSS" e um projeto do Centro Científico de Novosibirsk foi aprovado já em julho de1958, o qual foi planejado como uma cidade satélite. O canteiro de obras foi escolhido, 25 km ao sul da cidade de Novosibirsk, erguido em uma floresta de pinheiros na margem formada como resultado da construção da hidrelétrica reservatório do rio Ob. A área do projeto de Akademgorodok é 1370 hectares, dos quais 350 de floresta. A população calculada em 50 mil. Pessoas.

 

A base do projeto arquitetônico de Akademgorodok tem como princípio a máxima preservação da paisagem natural e sua transformação em um elemento estrutural completo do ambiente urbano. Isso era novo e diferente de tudo existente nas décadas anteriores em paradigma de planejamento urbano. Pela primeira vez, os arquitetos não "lutaram" com a natureza e não a "subordinaram" a sua disposição esquemática formal, mas sim, interagiram com a paisagem, mantendo cuidadosamente todas as áreas florestais. Um verdadeiro, um experimento sobre a construção da "cidade ecológica", em que áreas residenciais se misturam com institutos de pesquisa, florestas de pinheiros e bosques de bétulas. Outra característica do planeamento foi a criação de sistemas de comunicação, proporcionando a ligação mais curta possível entre os transportes e as vias de pedestres, entre as zonas e dentro de cada um delas.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Fluxos de tráfego e pedestres eram divididos em áreas separadas por zonas verdes, e limites de tráfego foram impostos em Akademgorodok. As três vias principais são em forma de "parábola", são elas: Avenida Construtores, Avenida da Ciência (agora Lavrentiev), e Avenida Marinha.

Caminhos para pedestres passam através de florestas e existe uma rede especial de faixas para ciclistas.

 

Em Akademgorodok foi implantado o mais moderno na época sistema de suporte de engenharia. Todas as principais comunicações, com exceção de esgoto, passam por um mesmo condutor de concreto armado do qual partem as galerias para complexos científicos e residenciais.

Até 1959, o projeto de Akademgorodok foi conduzido pelo instituto "Novosibproekt" (Arquitetos B.G Sigal, O.I Zhigalova, V.G Ivanov e outros). No outono de 1959, estava se familiarizado com o projeto de construção o Presidente do Conselho de Ministros da URSS, primeiro-secretário do PCUS, N.S Kruchev. Ele aconselhou "construir a cidade de forma mais econômica e rentável.", "Não está tudo bem com o planejamento arquitetônico da cidade" - disse Khrushchev na reunião. - Os arquitetos queriam construir na floresta arranha-céus. "Para quê?"  perguntou Kruchev. "Para os melhores corvos sentarem-se, ou o quê?"  "Por que nós, camaradas, devemos copiar a América na vastidão da Sibéria?". "Aqui, vocês sabem, um urso não consegue encontrar outro urso duas vezes" (referindo-se a imensidão da Sibéria que proporcionava espaço de sobra para construções horizontais).

 

Uma lenda local diz que os prédios altos desapareceram do projeto da seguinte forma:

Kruchev teria arremessado as maquetes para o alto e dito: “ Eis o que vai acontecer com esses prédios durante uma explosão nuclear”.

Em 1959 uma competição foi realizada para a concepção do centro de Akademgorodok. A versão final do planeamento e desenvolvimento da cidade foi desenvolvida por uma equipe, que incluía os arquitetos I. Putesheva, S. Ponomarev, Simonov, Yuri Ushakov, S. Tselyarnitsky, sob a orientação dos arquitetos M. White, I.B Orlova, A. Popov, Shaman, A.S Mikhailova. Na elaboração do planejamento, construção, jardinagem e paisagismo, do complexo hospitalar, equipamentos culturais, residenciais e áreas públicas participaram arquitetos G. Tyulenin, V. Ivanov, A. dushenina, L. Meshcheryakov, V.A Nujkin Engenheiro dendrólogolo (especialista em plantas lenhosas, principalmente árvores e arbustos, e as suas madeiras) P. Baranovsky.  

 

A área funcional da Akademgorodok foi dividida em três partes: científica (com o armazém municipal adjacente), área residencial e centro comunitário. O zoneamento preservou ao máximo as florestas existentes e espaços verdes abertos.

A zona dos institutos de pesquisa está localizada na parte nordeste da Akademgorodok e foi originalmente projetada para acomodar 15 institutos de pesquisa. Instituições foram agrupadas com base em suas relações científicas e lhes foram reservados terrenos para o desenvolvimento futuro.

 

A partir de áreas residenciais até a área dos institutos de pesquisa se estende uma massa florestal que atua como zonas tampão.

Projetando das áreas dos institutos de pesquisa foi realizado pelos escritórios de Moscou e Novossibirsk Gipron com participação dos arquitetos S. Buritskogo, G. Platonov, BA Zakharov, Yu Malov, I. Kupriyanov, Vladimir sharov e outros.

 

A área habitacional foi dividida em distritos, seu plano foi realizado tendo em conta a necessidade de maximizar a preservação de fragmentos florestais naturais, foram preservadas na construção mesmo as árvores solitárias. As zonas habitacionais foram ocupadas tendo em conta a área de atuação dos moradores. Os cientistas vivem na chamada "zona superior" na parte sul da cidade, no distrito de "A", "B" e "V". Para acadêmicos e membros correspondentes da Academia de Ciências da URSS foram designados assentamentos de casas de campo no pitoresco vale do rio Zyrianka, ao lado do Jardim Botânico. Para professores e pesquisadores seniors foram construídos prédios com completa infraestrutura da série 1-444 e 1-419 de tijolos de silicato e blocos de concreto de grande porte.

 

Na parte norte de Akademgorodok está a área "baixa", zona residencial destinada aos construtores e trabalhadores da zona de armazéns municipais, mercados, lojas, etc.

Mostrar Mais

Apesar do fato de que a construção das áreas residenciais foi feita exclusivamente com prédios típicos, aqui foi possível criar um ambiente surpreendentemente humano e confortável - principalmente devido à conservação da vegetação natural. Os trabalhadores da construção restringiram o ângulo de rotação dos guindastes, permanecendo assim preservados dentro do canteiro de obras os troncos das árvores - como resultado, pinheiros e bétulas crescem apenas há algumas dezenas de centímetros das paredes dos edifícios e penetram nos quintais, nos playgrounds de creches e escolas. A área de comércio se estende no centro da zona "superior" ao longo da rua Ilyich quase por 800 metros desde a Casa dos cientistas até a universidade.

 

Em 1962-1968 no cruzamento da Avenida marinha e da rua Ilyich foi construída a Casa dos Cientistas (Av. Marinha 23). Este edifício é composto de três blocos: um clube com um pátio átrio (átrio em arquitetura designa o pátio central das casas gregas e romanas), um jardim de inverno e uma fonte, restaurante, ginásio e sala de conferências para 200 pessoas, teatro com uma sala com 1000 lugares e uma transição entre eles, no primeiro andar que abriga uma galeria de arte. No segundo bloco há um clube e escritórios administrativos. O edifício foi projetado pelos arquitetos de Leningrado (P.L Lavrov, M. Levin, Orlov, A. rotini, T. Safronov, Yuri Ushakov e outros).

 

 

Vida e Utopia

 

Akademgorodok tornou-se um centro científico mundialmente renomado. Na primeira fase as expectativas dos seus criadores não apenas foram alcançadas, mas foram superadas: entusiastas da ciência vinham de toda as partes da URSS para Akademgorodok. Foram originalmente pensados 12 institutos, depois o projeto previu 15, e em meados dos anos 60 já haviam 20 institutos de pesquisa. Seus moradores sempre foram jovens cientistas e, rapidamente, se estabeleceu na cidade uma atmosfera especial.

Mostrar Mais

O primeiro americano a visitar Akademgorodok, foi William Benton, editor da Enciclopédia "Britânica". Ele escreveu sobre suas impressões:

"Nas profundezas das florestas da Sibéria, perto de um grande lago artificial, a União Soviética construiu um dos centros de ciência mais excitantes do mundo. As consequências desta obra podem ser ameaçadoras para nós. O novo complexo, cuja construção agora em fase de conclusão, é um símbolo vivo do desafio intelectual soviético ao Ocidente. Aqui serão realizados não só os estudos teóricos de alta ordem, mas também serão abordados e os problemas práticos em diversas áreas, que vão desde métodos de concepção hidráulicas do subsolo até sobre como decifrar textos antigos. Esta nova cidade da ciência é a primeira de várias que os sovietes planejam construir na Sibéria ... "

Em um curto período de tempo em uma área remota do país, houve um acordo único na época. O experimento de formação de um grande centro científico-educacional e industrial acompanhado pela experiência de planejamento urbano, a introdução dos princípios de design ecológico e a criação de um ambiente integrado que combina elementos de fauna e arquétipos urbanos tradicionais. Akademgorodok mais tarde serviu como um modelo para a concepção de um número significativo de cidades da ciência em diferentes regiões do país e no estrangeiro, incluindo três subúrbios de Novosibirsk.

Utopia hoje e o amanhã

 

Akademgorodok 50 anos após o início da sua construção não mais produz a impressão dos anos 60 e 70. Gramados e canteiros de flores já não surpreendem ninguém, suas pistas e calçadas, infelizmente já se deterioram, suas lojas e mercados que antes ostentavam o fato de ter produtos cobiçados, difíceis de ser encontrados no restante do país, hoje em nada se diferenciam dos outros estabelecimentos pelo país.

Não há estacionamento de bicicletas perto das instituições, da Câmara dos cientistas e do centro comercial, apenas uma nova geração de meninas de pernas bonitas vestido shorts e biquínis, bem como há 40 anos, caminham na direção do lago pela avenida Marinha chocando o velho professor. Os filhos dos cientistas crescem, e eles nem sempre se tornam cientistas, local de trabalho é mais fácil de encontrar em Novosibirsk. Um tráfego excepcionalmente alto passa pela rodovia que liga a cidade da ciência a cidade de novosibirsk.

Mostrar Mais

Os institutos do Ramo Siberiano da Academia de Ciências existem devido ao financiamento estatal líquido e ganham dinheiro alugando as instalações, falar sobre a aplicação dos princípios do "Triângulo Lavrenteva" na era atual não vale. Infelizmente faz parte de uma utopia que não chegou aos nossos dias.  

Mostrar Mais

Akademgorodok, de Cidade Autônoma de Ciência transforma-se em um bairro dormitório da metrópole da Sibéria. Para evitar isso, há necessidade de novas ideias. Em 2005, durante a sua estada em Akademgorodok, o presidente russo, Vladimir Putin, anunciou a criação do conceito de zonas económicas e científicas especiais e inovadoras. Novosibirsk desenvolveu um projeto de uma tal zona, mas perdeu a concorrência para uma zona económica especial vizinha em Tomsk.

 

Hoje para reviver a cidade científica existe um projeto para a construção de um parque industrial. RosEvroDevelopment planeja construir um centro de IT de 62 mil m2 de extensão e quase 600 mil m2 de área habitacional.

 

Projeto possui um poderoso apoio das autoridades da região - e uma resistência tão poderosa quanto por parte dos moradores de Akademgorodok. Eles não são sem razão acreditam que novas construções no local da floresta natural, salva por pelo projeto da Akademgorodok, contrariam às ideias do acadêmico Lavrentiev e seus projetistas, temem que será quebrada a estrutura funcional lógica da cidade, que nas belas palavras de inovações tecnológicas esconde o desejo banal de desenvolvedores para obter uma grande parcela de terreno na prestigiosa área da cidade. Os defensores da construção do TecnoPark afirmam que na medida do possível só serão derrubadas árvores doentes. No entanto, é difícil entender por que o parque tecnológico não é construído no território adjacente às instituições e utilizadas para outros fins, com por exemplo zona de armazém municipal, e sim na floresta que nunca deveria ser destinada para área de construção.

É evidente que sem novas ideias de igual força às ideias de Lavrentev Hristanovich, Akademgorodok estará condenada a morrer. Sua conservação tal como um monumento imutável, é possível, mas dificilmente viável. Ao mesmo tempo, se no desenvolvimento da cidade forem ignorados os princípios básicos estabelecidos no projeto, a cidade verá perdida sua originalidade e é pouco provável que se torne mais confortável. A construção em massa de conjuntos habitacionais no local de áreas florestais existentes, só vai acelerar a transformação de Akademgorodok em um bairro dormitório de Novosibirsk.

Hoje continua a ser elevado o potencial intelectual dos residentes de Akademgorodok, o número de graus académicos per capita é preciso, ao que parece, um dos primeiros lugares do país. A cidade pode ser uma boa base para a colocação de centros de engenharia e centros tecnológicos das maiores corporações do mundo e o potencial industrial de Novosibirsk permite organizar qualquer de produção em massa rapidamente. É necessário um conceito do desenvolvimento de inovação, minimamente dependente de subsídios estatais. Aos arquitetos cabe a tarefa de desenvolver uma matriz para tal desenvolvimento, estimulando-o mas sem causar prejuízo para a cidade existente na floresta.

Um guia para a cultura e uma ponte para os negócios no Leste Europeu e Ásia Central,

o antigo mundo soviético. 

  • Facebook - Grey Circle
  • Twitter - Grey Circle
  • Instagram - Grey Circle
Avenida Paulista, 726, 17o Andar, conjunto 1707, Bela Vista, São Paulo – SP, CEP: 01310-100

© 2019 por Sputnik Commercial & Consulting