• Equipe Sputnik Consulting

Por que não há filmes russos sobre o fim da URSS?



A União Soviética deixou oficialmente de existir há mais de 25 anos. Então, por que este evento que representou a passagem de uma época nunca foi retratado em um filme russo?

Mikhail Gorbachev renunciou em 25 de dezembro, e no dia seguinte o Soviete Supremo aceitou a declaração que criou a Comunidade de Estados Independentes e terminou a União Soviética.

Mas esses eventos não existe na história do cinema da Rússia - não há filmes centrados nesse evento, e muito poucos os têm apenas com pano fundo.

Uma rápida pesquisa no Google pode lhe dar uma dica da razão para isso: "dissolução da URSS" e "destruição da URSS" são termos utilizados alternadamente, com a preferência maioria dada a este último. O termo "dissolução" tras em si um carater legal, historicamente aceito e neutro enquanto que o termo "destruição", tem juízo de valor óbvio. Com tais opiniões polarizadas que divididem a sociedade, como pode os diretores e escritores saberem como abordar o assunto? O que poderia ser esse filme? Uma comédia, um drama, ou um épico?

De quanto tempo a as sociedades pós soviéticas ainda precisarão para pensar os acontecimentos de mais de depois de 26 anos? Outros eventos mais recentes, históricos, como as guerras chechenas têm sido temas de longa-metragens. E há uma abundância de documentários sobre o tema do desaparecimento da URSS - a maioria dele o toma como o colapso de um império e como foi destruído um grande país.

Além disso, a União Soviética está agora no centro de um debate politicamente carregado sobre se ter "apenas uma visão da história" - a, história oficial sancionada pelo Estado. A ideia de Vladimir Putin de criar um livro "unificado" de história para crianças em idade escolar, que excluiria qualquer "duplo sentido" ou interpretações e o seu conceito geral, que vê a URSS como uma força do bem e algo que nós perdemos.

E essas idéias tradicionais têm consequências directas sobre a forma como o público reage a arte que se atreve a tocar na história, incluindo o cinema. O exemplo mais recente é o próximo filme de Alexey Uchitel, Matilda, que incide sobre o caso de Nicholas II com a bailarina Matilde Kschessinskaya. O filme é previsto para sair neste ano, mas já causou um alvoroço, com políticos e figuras públicas pedindo para o filme a ser banido do lançamento no cinema no país porque retrata o último imperador que é canonizado pela Igreja Ortodoxa como um homem fraco. Natalya Poklonskaya, a ex-Procuradora-Geral da Criméia e atual deputada na Duma russa, pediu ao Procurador-Geral para inspecionar o filme para ver se ela se qualifica como "anti-russo" ou "propaganda anti-religiosa", o Comité Consultivo do Ministério da Cultura disse que poderia tentar "cancelar o lançamento do filme". E enquanto o filme é ainda susceptível de ser libertado devido aos nomes de peso e grande orçamento, o escândalo público pode causar problemas para os cinemas que decidam exibi-lo. Não é nenhum segredo que os "ativistas", muitas vezes tentar encerrar exposições e não têm reservas sobre os métodos que utilizam.


Matilda (2017) reboque (sem legendas disponíveis)

Neste ambiente, é possível fazer filmes sobre a dissolução de um país que, de certa forma, é lamentada pela historia oficial, mas sociedade é tema de grande polêmica? filmes iria abster-se de estereótipos e julgar, e, ao invés disso, olhar para as muitas histórias humanas que os eventos produziram? Matilda tenta fazer isso - o quão bem ele faz em termos cinematográficos será visto quando o filme sair em março, mas já podemos ver a reação produzida.

Quanto ao desaparecimento da URSS, o melhor filme que já foi feito na Alemanha sobre a queda do Muro de Berlim (Good Bye, LeninI), embora, na verdade, há menos polarização na sociedade alemã sobre esse evento - pelo menos em termos de interpretação dominante aceita da história.


Good Bye Lenin (2003)

Como é que vamos começar a fazer filmes sobre eventos que aconteceram um quarto de século atrás? A questão certamente não é apenas a falta de fundos - Leviathan, filme multi-premiado de Andrey Zvyagintsev foi financiado pelo Ministério russo da Cultura, e Matilda pelo Fundo Federal de Cinema (Fond Kino), mesmo assim ambos foram fortemente atacados por políticos e ativistas pró-governo após a libertação.

A solução mais provável reside na prevenção de que políticos e burocratas pesem sobre filmes em público, jogando assim gasolina em discussões públicas que por si só ja produzem incêndios.

#Cinema #FimdaURSS

0 visualização