• Equipe Sputnik Consulting

A alternativa/estratégia socializante chinesa




Por

Elias Jabbour*

Alexis Dantas**


O fenômeno do surgimento dos chamados latecomers, notadamente, as experiências de catching up no Leste Asiático do pós-Segunda Guerra Mundial, colocou em evidência noções/categorias como desenvolvimentismo e Estado Desenvolvimentista, sendo o último elaborado por Chalmers Johnson em seu estudo clássico sobre o Japão lançado em 19821 . Alice Amsden2 aponta na direção da experiência coreana, encetando tal como o “próximo gigante”. Outros autores, fora e dentro do Brasil, produziram ótimos estudos sobre o tema. Apesar do frenesi pelo “modelo” japonês e de seus congêneres do Leste Asiático, poucas considerações foram levadas em conta acerca dos limites destas dinâmicas de desenvolvimento, a começar pelo limite político e geopolítico, notadamente o fato de tais processos terem ocorrido, em grande medida, sob o patrocínio norte-americano e em países ocupados militarmente. A Endaka japonesa de 1985 e o reenquadramento coreano no  final da década de 1990  zeram dissipar determinadas ilusões. O que não significa que em tais países instituições de tipo desenvolvimentista deixaram de existir. Ao contrário, continuam sendo casos (os únicos) bem-sucedidos de catching up do século XX. Atenção semelhante tem sido reservada ao caso chinês. Não à toa. O processo de desenvolvimento econômico chinês é um dos fenômenos mais impressionantes do mundo em que vivemos, em função tanto da longevidade quanto no seu alcance interno e externo: o crescimento médio do PIB nos últimos 40 anos foi de 9,5% a.a., ao mesmo tempo em que a renda per capita no período passou de US$ 250 em 1980 para US$ 8.800 em 2018. Por detrás deste processo, há de se destacar a alta relação investimento/PIB (acima dos 40% desde a década de 2000), suas imensas reservas cambiais (US$ 3,08 trilhões em janeiro último) e enorme volume de comércio externo (35,9% do PIB). É na história por detrás destes dados que reside tanto a formação, na China, de uma “tripla condição” de potência comercial, industrial e  financeira, quanto a privilegiada posição política e geopolítica de maior credora líquida do mundo e comandante em chefe do maior projeto de integração física da história da humanidade. Lançada em 2013, a Iniciativa

“Um Cinturão, Uma Rota”, atualmente sintetiza o alcance e a capacidade chinesa de se fazer presente nos quatro cantos do planeta via investimentos de trilhões de dólares em infraestruturas que já envolvia, no  final de 2017, mais de 70 países, 65% da população do mundo e 40% do PIB mundial. Não obstante, apesar da reação norte-americana a esta iniciativa – muito clara em tentativas de desestabilização de países envolvidos no projeto, além da própria China – ao que tudo indica o país está disposto, sob o acicate deste projeto, a lançar as vigas mestras da proposta chinesa de construir “um mundo de desenvolvimento compartilhado”. Algo em clara oposição a noções reacionárias de “destino manifesto” e as famigeradas “guerras humanitárias” patrocinadas por Washington. Voltando à China, dados apontam que, entre 1978 e 2018, os chineses foram responsáveis pela retirada da linha da pobreza de 840 milhões de pessoas. Para o centenário de fundação do Partido Comunista da China, em 2021, o plano é zerar a extrema pobreza no país. Um feito que deveria ser visto de forma estratégica, dada a tendência de o capitalismo, via substituição do trabalho vivo por trabalho morto ao mesmo tempo em que cria uma camada de centenas de milhões de “indesejáveis,” alimentar alternativas autoritárias e fascistizantes à sua própria decadência.

Internamente, programas internos de conexão econômica estão se ampliando, com dois fenômenos já tratados por nós em oportunidades anteriores sendo provados: a relação entre o surgimento de novas e superiores formas de planificação econômica com avanço na especialização e a elevação do grau de divisão social do trabalho. Por exemplo, em 2018 um Programa de Desenvolvimento do Cinturão do Rio Yang-Tsé foi lançado, com investimentos da ordem de US$ 500 bilhões em dez anos pelo China Development Bank. A “guerra comercial” declarada por Trump é, em essência, voltada contra a possibilidade real de a China alcançar não somente autonomia tecnológica completa, mas também o “estado da arte” em matéria de sofisticação tecnológica (com a famosa plataforma 5G, domínio amplo do Big Data). Trata-se de investimentos de bilhões de dólares no desenvolvimento de mecanismos de inteligência artificial capazes de abrir mais relevo e possibilidades de planificação econômica e social jamais sonhadas pela primeira leva de cientistas da Gosplan soviética ou do MITI japonês. Qual a alternativa? De onde ela vem? Qual seu modus operandi? O exposto até aqui sugere que a busca do capitalismo por alternativas à já insolúvel (nos novos marcos tecnológicos) contradição entre forças produtivas e relações de produção tem passado pela elevação do grau de policiamento da sociedade e da dispensa via encarceramento dos chamados “indesejáveis”. Por outro lado, o socialismo também gesta não somente sua reinvenção, mas uma real alternativa. Esta alternativa em construção e desenvolvimento não abre mão de um sistema político próprio e peculiar nascido nos marcos da Revolução Nacional e Popular de 1949. Desde 1978, partindo das bases lançadas pela industrialização pesada, investimentos maciços em saúde e educação – e a soberania política e militar que faltou às experiências japonesa e coreana – o mundo se estatela diante de uma dinâmica de crescimento e desenvolvimento baseado na fusão entre mais de uma centena de conglomerados empresariais e estatais com toda uma complexa e sofisticada rede de  financiamento de longo prazo e em todos os níveis, do nacional ao subnacional (províncias e capitais de províncias). Desde as reformas econômicas forma cíclica o papel do Estado vem ganhando papel qualitativo. Desde investidor (via sistema  financeiro estatal) e executor (via conglomerados estatais) em primeira instância, passando pela formação de instituições que transformam o Estado também em um gerenciador tanto de grandes políticas  fiscais como de políticas de socialização do investimento. A fetiche da lei das vantagens comparativas não somente foi suplantada pelo meio de uma revolução (1949). A formação de um policy space capaz de proteger a política monetária das frequentes crises  - financeiras que acometem o mundo passou pela transformação do comércio exterior em bem público, planificado e de Estado. Ao lado do crescente aumento qualitativo do poder do Estado sobre a economia, percebe-se que a estrutura de propriedade chinesa ainda é muito diferente de outras partes do mundo. Esse processo refere-se diretamente em um aumento contínuo, desde a segunda metade da década de 1990, do controle governamental sobre os  fluxos da renda nacional: de 13,5% do PIB em 1996 a 37,3% em 20153 . A construção dessa alternativa não prescinde da necessidade de superação de profundas contradições surgidas ao longo do processo e que podem colocar em questão a própria experiência. Referimo-nos a questões relacionadas à concentração de renda, elevado papel do investimento em detrimento do consumo e da explosiva questão ambiental. Do dito, ainda insistimos em afirmar que essa alternativa surge sob o acicate do socialismo de mercado. Não mais como uma mera abstração. E sim, já como uma nova e distinta formação econômico-social.



Fonte: Jornal dos Economistas / Abril 2019


* É professor do Programa de Pós-Graduação em Ciências Econômicas da Uerj (PPGCE-FCE-Uerj). ** É professor do Programa de Pós-Graduação em Ciências Econômicas da Uerj (PPGCE-FCE-UERJ), coordenador do Núcleo de Estudo das Américas e diretor em exercício da Faculdade de Ciências Econômicas da Uerj. 1 JOHNSON, C. Miti and the Japanese Miracle:  e Growth of Industrial Policy: 1925-1975. Stanford: Stanford University Press, 1982. 2 AMSDEN, A. Asia’s next giant: South Korea and late indust rialization. New York: Oxford University Press, 1989. 3 NAUGHTON, B. Is China Socialist? Journal of Economic Perspectives, (31) 1, pp. 3-24, 2017.

0 visualização