• Equipe Sputnik Consulting

Angústia

Atualizado: Mai 21



Tenho dormido cedo. Evitei notícias por uma semana. O pensamento não acontece de forma linear. Dois problemas se misturam. A verdade do universo e a prestação que vai vencer. Mais de um mês sem abraçar minha mãe. A NET cancelou minha internet. Eu odeio a NET. A internet gratuita da NET funciona no meu apartamento. Eu amo a NET. Um mês sem ver minha irmã. Um mês usando máscara. Doria e Covas falando todo dia. Fiquem em casa. Bruno deixou de ser apenas o neto de Mário. Vê-lo lutando todo dia enquanto tem câncer é um alento. Quatro anos do impeachment. Bruno votou a favor. Que merda. O dia em que os bárbaros iniciaram o ataque à Roma. Dilma caiu. Temer subiu. Depois caiu junto com Aécio. Os bárbaros se aproximam de Roma. O chefe dos bárbaros elogia a tortura em programas de subcelebridades. Os bárbaros cada vez mais perto. Lula é preso. Facada. Os bárbaros chegam à Roma. O juiz que prendeu Lula vira funcionário do bárbaro-mor. Lula é solto. Tarde demais. Quando exatamente se tornou tarde demais? Acho que faz tempo. Que Deus tenha misericórdia desta nação. Não teve.

Lave as mãos com água e sabão. Passe álcool gel. É difícil manter a mente sã. Bate Sol aqui das 7 às 11. Precisamos de 15 minutos por dia. Metrô 2 vezes por semana. Enchendo. O rapaz vende fone. Outro chocolate. Outro canta Bob Marley. O governo não os ajuda. 600 reais enrolados. O presidente queria dar 200. Morre gente todo dia. Acontece. Voltem ao trabalho. 1 milhão vão morrer sem restrições. 44 mil vão morrer se fizermos tudo certo. Morreram 2 mil. Faltam 42 mil se der tudo certo. 999998 se fizermos o que o presidente manda. Novecentos e noventa e nove mil novecentos e noventa e oito. Novecentosenoventaenovemilnovecentosenoventaeoito. Ummilhão. Números. Como convencer as pessoas a ficarem em casa? Pessoas não são números.

Cinquenta e sete milhões setecentos e noventa e sete mil oitocentos e quarenta e sete brasileiros votaram no capitão. Saíram de casa num domingo e apertaram 17. Ditadura. Tortura. Armas. Machismo. Xenofobia. Submissão. Religião. Mito. O genocídio chegou mais rápido do que o previsto. Por quem dobram os sinos? Nenhum homem é uma ilha. Um chinês comendo um morcego. O príncipe da Inglaterra. A mesma doença.

Pedalada fiscal. Ainda não sei bem o que é isso. Algo como atraso ao repasse de verbas do governo para o público. Ou abertura de crédito suplementar sem a aprovação do Congresso. Sei lá. Quando se quer culpar alguém, inventa-se um crime. Reforma no triplex do Guarujá. O possível comprador não quis comprar. A reforma não aconteceu. Quando se quer culpar alguém, inventa-se um crime. Moro na XP. Fraude fiscal. Guedes na XP. Fraude fiscal. Quando se quer inocentar alguém, esconde-se o crime. O juiz trabalhando com a acusação. Invenção de provas. Manipulação de áudios. Quando se quer inocentar alguém, esconde-se o crime.

Temos que ficar em casa por nós. E pelos outros. Individualismo. Como convencer a ficar em casa pelos outros se só pensamos em nós. Mão invisível do mercado. Estado mínimo. Gastos públicos. Déficit fiscal. CPFs com problemas. Burocracia. Filas. A sociedade não faz nada por mim, por que devo fazer algo pela sociedade? Eu não faço nada pela sociedade, por que ela deve fazer algo por mim?

“Agora estão me levando

Mas já é tarde.

Como eu não me importei com ninguém

Ninguém se importa comigo.” B. Brecht

“A história, Stephen disse, é um pesadelo de que eu estou tentando acordar”. Carreatas na frente dos hospitais. Gente morrendo dentro. Gente matando fora. Bandeira do Brasil. Ou ficar a pátria livre ou morrer pelo Brasil. Ou ficar a pátria louca ou matar pelo Brasil. Nacionalismo. Militarismo. Xenofobia. Todo mundo sabe onde isso dá.

“Os sonhos teus vão acabar contigo.

O interesse pela vida austera

Irá desaparecer feito fumaça. Então

Desejos e paixões irão murchar,

O mensageiro do céu não virá a correr

Nem a juventude do ardente pensar…

Para, meu amigo, de tanto sonhar,

Exime o entendimento de morrer.” D. Kharms

Vontade de viajar. Não queria mais. Agora quero. Conhecer Belém. A Chapada. Voltar pra Imbituba. A festa de 50 anos de casamento da minha tia ficou sei lá pra quando. O casamento do meu amigo pra dezembro. “Para” no escrito. “Pra” no falado. Algum dia “pra” vai ser aceito no escrito. Três quilos a menos. O próximo carnaval promete. O passeio de bicicleta.

Cruzou o limite do inaceitável. Trinta anos defendendo a tortura. Deveriam ter matado uns trinta mil, ele disse. Prefiro um filho morto a um filho gay, ele disse. Só vagabundo recebe bolsa família, ele disse. Aquele lá pesa não sei quantas arroubas, ele disse. Vamos metralhar os petralhas, ele disse. As minorias têm que se submeter às vontades da maioria, ele disse. Viva o cara que enfiava rato na vagina de mulheres para obter delações, ele disse. O que pensar de quem acha que só agora é inaceitável?

“Não amei bastante meu semelhante,

não catei o verme nem curei a sarna.

Só proferi algumas palavras,

melodiosas, tarde , ao voltar da festa.

Dei sem dar e beijei sem beijo.

(Cego é talvez quem esconde os olhos

embaixo do catre.) E na meia-luz

tesouros fanam-se, os mais excelentes.

Do que restou, como compor um homem

e tudo o que ele implica de suave,

de concordâncias vegetais, múrmurios

de riso, entrega, amor e piedade?

Não amei bastante sequer a mim mesmo,

contudo próximo. Não amei ninguém.

Salvo aquele pássaro -vinha azul e doido-

que se esfacelou na asa do avião.” Drummond

Capitão Nascimento enfiava a sacola na cabeça do favelado. A plateia vibrava vendo aquilo na tela grande. O nariz do torturado sangrava. O juiz mandou raspar a cabeça do político preso. Ele foi para a solitária. Delírio entre os jornalistas. Qual o tamanho da cela em que ele dorme? Sua refeição de hoje foi macarrão e salsicha. Delírio. O apresentador de TV celebra cada morte. CPFs cancelados. O governador falou para atirar na cabeça. Nove mortos em Paraisópolis. Gustavo Cruz Xavier, 14, Dennys Guilherme dos Santos Franco, 16, Marcos Paulo Oliveira dos Santos, 16, Denys Henrique Quirino da Silva, 16, Luara Victoria Oliveira, 18, Gabriel Rogério de Moraes, 20, Eduardo da Silva, 21, Bruno Gabriel dos Santos, 22, e Mateus dos Santos Costa, 23.

“Mulher, como você se chama? – Não sei.

Quando você nasceu, de onde você vem? – Nao sei.

Para que cavou uma toca na terra? – Não sei.

Desde quanto está aqui escondida? – Não sei.

Por que mordeu o meu dedo anular? – Não sei.

Não sabe que não vamos te fazer nenhum mal? – Não sei.

De que lado você está? – Não sei.

É a guerra, você tem que escolher. – Não sei.

Esses são teus filhos? – São.” Szymborska

Não tinha sal no mercado. O fornecedor não entregou. Caminhoneiros ameaçam greve. Fila de carros nos postos. Chegou gasolina. Intervenção Militar Já. 2015. Eles são a minoria, disse a jornalista. A passeata tem crianças e idosos e transcorre pacificamente. Intervenção Militar Já. 2016. Eles são a minoria, disse a jornalista. A passeata tem crianças e idosos e transcorre pacificamente. Intervenção Militar Já. 2017. Eles são a minoria, disse a jornalista. A passeata tem crianças e idosos e transcorre pacificamente. 2018. Tocam as trombetas do Apocalipse. Gritos na janela. Mito. Onde você estava quando a liberdade começou a ruir?

A Bolsa caiu com a chegada do fim do mundo. As bolsas da Ásia caíram mais de 10%. Onde investir? As pessoas estão comprando armas. O presidente e o juiz facilitaram a posse. Quem tentar roubar meu sal vai levar chumbo. Oitenta tiros mataram Evaldo Rosa. Excludente de ilicitude, disse o conje.

Aulas online. Zoom. Google Meet. Google Hangout. Espelhar tela. Não sabia nada disso há um mês. Fila na farmácia. Dipirona e AS estão em falta. Ligamos quando chegar. O remédio secreto do astronauta. A substância secreta produzida no laboratório secreto. Mais uma cura. Hidroxicloroquina. Fórmula: C18H26ClN3O. Massa molar: 335,872 g/mol. Mais uma cura. Azitromicina. Mais uma cura. Doria comunista. Maia comunista. Bill Gates comunista. Pronunciamento do presidente. A caixinha do remédio. Vamos orar. Soam as panelas.

Parasita. O cheiro. Os pobres se matando. No final, resolvem matar o rico. A vida no porão. Justus no navio. Voltem ao trabalho, ele disse. Reforma Trabalhista. Informalidade. Vamos crescer e gerar empregos. Não crescemos e não geramos empregos. É direito ou emprego, disse o presidente. Reforma da Previdência. Vamos crescer e gerar empregos. Não crescemos e não geramos empregos. É aposentadoria ou emprego, disse o presidente. É vida ou emprego, diz ele agora. Vamos metralhar os petralhas.

A cultura e o peido do palhaço. Moraes Moreira morreu. Viúva Porcina não se manifestou. Acabou Chorare é foda. O secretário ouvindo Wagner e imitando Goebbels. Faz só dois meses isso. É difícil se concentrar. Reclamava que não tinha tempo. Agora tenho, mas não sei o que fazer. Surto. Reflexões. O que seria da minha vida se tivesse seguido um caminho diferente?

“O filho que não fiz

hoje seria homem.

Ele corre na brisa,

sem carne, sem nome” Drummond

Golfinhos em Veneza. Ar puro. A romantização da tragédia. Prisão preventiva como instrumento de tortura. Vai ficar preso até falar. O rato na vagina. O triunfo da ignorância. A violência como solução. Não teremos o que fazer com esses respiradores depois, disse o novo ministro. Como será nosso futuro? Mais um mês disso? Mais dois anos e meio disso? Ciclos no Brasil costumam durar 20 anos. Mais vinte anos disso?

Escolhemos nosso destino. O que teríamos sido? Não seremos. Somos isto. O filho que não fiz. O presidente que não escolhemos. A presidenta que não derrubamos. As crianças que não matamos. A renda que não distribuímos. Fome. Miséria. Doença. Tortura. Ignorância. Preconceito.

“Tu tens um medo:

Acabar.

Não vês que acabas todo o dia.

Que morres no amor.

Na tristeza.

Na dúvida.

No desejo.

Que te renovas todo o dia.

No amor.

Na tristeza.

Na dúvida.

No desejo.

Que és sempre outro.

Que és sempre o mesmo.

Que morrerás por idades imensas.

Até não teres medo de morrer.


E então serás eterno.” C. Meireles


* Este texto não reflete necessariamente a opinião de Sputnik Commercial & Consulting

S O B R E O A U T O R

O colunista Sputnik Commercial & Consulting João Gabriel Oliveira é economista formado pela Universidade de São Paulo, em sua coluna aborda política, esportes, tv, cinema, religião e muito mais.