• Equipe Sputnik Consulting

O Vietnã emerge de sua dura quarentena sem mortes: como isso aconteceu?

Atualizado: Mai 21

O Vietnã começou neste fim de semana a suspender sua quarentena, uma das mais rigorosas do mundo, e que parece ter contido o avanço da pandemia da COVID-19. Segundo dados oficiais, o país asiático na fronteira com a China tinha pouco menos de 300 infecções e nenhuma morte.


Embora aglomerações de pessoas continue banidas e o uso de máscaras faciais e distanciamento social seja incentivado, o país governado pelo Partido Comunista permitiu que algumas empresas reabrissem, especialmente em Hanói e na cidade de Ho Chi Minh. Em várias províncias, as escolas serão reabertas nesta semana.

Desde a detecção dos primeiros casos em janeiro passado, apenas 268 infecções por coronavírus foram relatadas, sem mortes. Durante a última semana, nenhum caso foi relatado.

Os especialistas destacam algumas decisões iniciais tomadas pelo Vietnã: a rápida proibição de quase todas as viagens da China, a suspensão das escolas em meados de janeiro, mesmo antes de qualquer infecção ter sido registrada, a quarentena de dezenas de milhares de pessoas e a uso do extenso aparato do Partido Comunista para comunicar medidas de distanciamento e rastrear contatos de pacientes com COVID-19.

A resposta foi possibilitada por um sistema leninista de partido único centralizado que é frequentemente criticado por supostamente manter sigilo, silenciar dissidência e atropelar direitos individuais, mas que tem sido hábil em lidar com crises de saúde desde que foi o primeiro país a erradicar a epidemia de SARS quase duas décadas atrás. Claramente, não é um modelo replicável na democracia liberal ocidental.

"Apenas alguns países podem controlar e mobilizar recursos nessa escala", disse ao Los Angeles Times Le Hong Hiep, analista do Vietnã no Instituto ISEAS-Yusof Ishak, em Cingapura. “No Vietnã, eles podem fazer isso, e em parte por causa de um sistema político, projetado para responder a essas situações. Nem sempre é bom, mas em uma crise ajuda. ”

As medidas de controle geralmente levam a um grande número de pessoas sendo isoladas por apenas um punhado de infecções.

No mês passado, mais de 300 médicos, policiais, soldados e civis foram enviados para rastrear os contatos de um piloto britânico que se acredita ser a origem de um grupo de pessoas infectadas com coronavírus em um bar na cidade de Ho Chi Minh. As autoridades fecharam várias empresas e colocaram em quarentena milhares de pessoas em seus apartamentos.

Nas últimas semanas, com o aumento de infecções importadas na Ásia, o Vietnã colocou em quarentena dezenas de milhares de viajantes que chegavam, com ou sem sintomas de COVID-19, em quartéis do exército, dormitórios de universidades e outros estabelecimentos públicos.

As autoridades americanas estão impressionadas com a baixa taxa de infecção do Vietnã. No entanto, especialistas dos Centros dos EUA para Controle e Prevenção de Doenças no Vietnã - que prestou assistência com testes, análise de dados e rastreamento de contatos - eles dizem que "não têm indicação de que esses números sejam falsos", disse o Dr. John MacArthur.

Cautela com a China

O relacionamento próximo e conturbado do Vietnã com sua vizinha, a China, influenciou bastante sua resposta ao surto, segundo analistas ouvidos pelo Los Angeles Times. Dias depois que a China notificou a primeira morte pelo vírus em 11 de janeiro - e antes de qualquer caso surgir no Vietnã - o Ministério da Saúde realizou uma reunião de alto nível com autoridades dos Estados Unidos e da Organização Mundial da Saúde.

Plano de contenção.

No centro da preocupação do Vietnã, havia a suspeita de que "a escala do surto era muito maior do que o que se imaginava na China", disse Le. O Vietnã estava correto em seu ceticismo.

A empresa de segurança cibernética dos EUA FireEye informou que hackers vinculados ao governo vietnamita tentaram invadir as contas de e-mail de autoridades e chinesas de gerenciamento de emergências em Wuhan a partir de janeiro, aparentemente para obter mais informações sobre o surto.

"O Vietnã entende a China melhor do que outros países", disse Le. "Por causa de sistemas políticos semelhantes, eles sabem como a China funciona e conhecem os riscos e as desvantagens de tais sistemas. Eles sabem que pode haver problemas nos dados provenientes da China. Portanto, ao lidar com a China, o Vietnã é muito cauteloso".

A estratégia vietnamita

Obviamente, o número de pessoas submetidas à análise continua baixo (pouco mais de 180.000 de uma população de 96 milhões de habitantes).

Os especialistas consideram a tendência positiva, e representantes da Organização Mundial da Saúde (OMS) destacaram repetidamente a velocidade com que Hanói reagiu.

Desde os primeiros dias de fevereiro, o Vietnã suspendeu todos os seus voos de e para a China e praticamente fechou sua longa fronteira de 1.300 km com a República Popular da China.

As escolas não reabriram desde o final de janeiro, após as comemorações do Tet, o Ano Novo Vietnamita.

Aldeias agrícolas com mais de 10.000 habitantes foram completamente bloqueadas por três semanas, quando havia apenas uma dúzia de casos confirmados de infectados em todo o território.

Mais tarde, "mais de 80.000 pessoas foram colocadas em quarentena simultaneamente" em todo o país, em campos controlados pelo exército, disse Takeshi Kasai, diretor da OMS para a região oeste do Pacífico. "É a razão pela qual eles foram capazes de manter um pequeno número" de infectados.

Juntamente com o alívio por ter contido o coronavírus, o governo vietnamita iniciou sua própria campanha de ajuda humanitária e na semana passada enviou quase meio milhão de trajes protetores aos Estados Unidos para os médicos que estão na linha de frente da doença. O presidente Donald Trump agradeceu pessoalmente em sua conta no Twitter.


Com informações da AFP

0 visualização