• Equipe Sputnik Consulting

Dilema do coronavírus: entre economia e vida

Atualizado: Mai 21


Em 30 de março, o site SeldonNews publicou um artigo do Reitor da Academia Diplomática do Ministério de Relações Exteriores da Rússia A. Yakovenko. Tema: "O dilema do coronavírus: entre economia e vida"



Reitor da Academia Diplomática do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, Alexander Yakovenko:

Nas últimas semanas, houve um aumento na conscientização das autoridades dos países ocidentais, incluindo os Estados Unidos, sobre a escala da pandemia e suas possíveis conseqüências a longo prazo para a sociedade e as relações internacionais. O foco acabou sendo uma escolha política e moral difícil entre os interesses de estabilizar a economia e salvar vidas. O último exige que medidas radicais e enormes recursos sejam usados agora, sem pensar no preço econômico de uma estratégia existencial e quase fatal (de acordo com Jean Baudrillard). Aqui, ao que parece, essa máxima está em vigor, segundo a qual a prevenção de uma catástrofe é comparável à própria catástrofe pelas medidas tomadas. Mas há vantagens óbvias na estratégia de gerenciamento desses desastres em "câmera lenta". Isso é, antes de tudo, uma grande previsibilidade e a criação de práticas e lógicas para responder a esses fenômenos, que substituem claramente as catástrofes das guerras mundiais do século passado.

Mas a escolha está longe de ser simples para países cujas elites estiveram na euforia do "fim da história" e capturadas pelo dogma da "ordem liberal" nos estados e nas relações internacionais. O teste de força e o teste da opinião pública passam pelo liberalismo, principalmente como uma esperança no mercado como o principal fator regulatório no desenvolvimento social. Daí um passo para o fatalismo com um toque de malthusianismo e eugenia, se não um darwinismo social completo. A propósito, o primeiro-ministro Boris Johnson, no Reino Unido, teve que abandonar rapidamente o curso para que o país adoecesse com o vírus, desenvolvendo imunidade a ele, mesmo ao custo da "perda de muitos de nossos entes queridos" (com eles, queremos dizer os idosos - pessoas com mais de setenta anos). À beira da mesma reversão política estava o presidente dos EUA, Donald Trump, que admitiu como uma "boa opção" a morte de 200 mil americanos em meio a previsões de 2,2 milhões de vítimas.

A escala crescente da pandemia nos faz pensar que, com qualquer resultado, o mundo e a sociedade já serão diferentes e não poderão retornar ao seu estado anterior. Isso coloca ainda mais severamente os governos diante desse dilema, que, por sua vez, está mudando na direção de obscurecer a fronteira entre o humanitário e o puramente econômico.

As decisões tomadas em Londres, Washington e Bruxelas para retomar a "flexibilização quantitativa" exigem medidas de emergência adicionais para apoiar não apenas as empresas, mas também a população, e isso independentemente da credibilidade real das autoridades. Por exemplo, nos Estados Unidos, onde 3,2 milhões de pessoas solicitaram subsídios de desemprego na última semana de março, foi adotado um pacote de medidas de apoio, totalizando $ 2,2 trilhões, incluindo pagamentos fixos a famílias de baixa renda (o chamado “lançamento de dinheiro de helicóptero”) O problema da coletivização das obrigações da dívida foi especialmente grave para a União Europeia, onde os países do norte da Europa ainda não estão prontos para suportar o fardo da "solidariedade europeia" - mesmo diante da verdadeira tragédia humana na Itália e na Espanha.

A questão, no entanto, vai além da estrutura estreita da futura Europa supranacional ou da globalização, bem como de que maneira combater a inevitável recessão global. Já é uma questão de quão adequado e mesmo capaz de sobreviver é o sistema de coordenadas do próprio capitalismo anglo-saxão, que se deparou - após a crise financeira global de 2008 e dentro da estrutura de sua atual "segunda onda" (os economistas há muito o previam) - com o momento da verdade.

Está ameaçado pelo que se chama coesão social há algum tempo, isto é, algo sem o qual nenhuma sociedade pode existir, e não se trata apenas de existir de forma sustentável, mas em geral. Um governo que não entende isso será igual a si mesmo - sem nenhum "valor agregado" para a sociedade - e, portanto, estará condenado. Talvez este seja o significado da atual competição global, uma espécie de "corrida contra o coronavírus". Alguns tendem a reduzir tudo, como sempre, ao problema do "liberalismo contra o autoritarismo", vendo a América e a China como protagonistas principais do drama que se desenrola. Presumivelmente, Trump não falou acidentalmente com Xi Jinping sobre a experiência chinesa no combate à propagação da pandemia. As questões da vida social surgem a todo vapor, mesmo que a princípio todos pensassem quem teriam vantagens competitivas com os resultados do coronavírus. Isso ainda pode importar, como, a propósito, quem pode estabelecer com mais eficiência a vida econômica nas novas condições, tendo resolvido o problema da demanda doméstica sustentável. Provavelmente, fatores como o domínio no sistema financeiro e monetário global e muitos outros que nos remetem ao sistema de coordenadas anterior também desempenharão um papel.

O futuro próximo mostrará que há algo em um mundo que está se transformando radicalmente diante de nossos olhos. Mas já podemos concluir que a Rússia, não sobrecarregada com a necessidade de representar cenas políticas dentro do país, está no caminho certo, em sua resposta "na corrida contra o tempo" sem fazer distinção entre econômico e social. Parece que o governo - é claro, aproveitando o ganho de tempo e a experiência de outros atores - age de maneira bastante decisiva e abrangente, apelando aos sentimentos e responsabilidades cívicos de seus próprios cidadãos. Mesmo que o medo leve essa responsabilidade à consciência de muitos cidadãos. A presença de um perigo comum e a interdependência causada por ele estão em harmonia com as ações do governo e as medidas das autoridades municipais. Na nova realidade, podemos encontrar uma "nova normalidade" da política socioeconômica que superará os dogmas e as restrições de mercado do capitalismo tradicional, não apenas no interesse da sobrevivência ecológica em nosso planeta, mas também na sobrevivência da sociedade e do estado como tal. Este pode ser o significado mais alto da atual experiência trágica da humanidade. Pode ser que o centenário mais importante deste século não tenha sido o início da Primeira Guerra Mundial, mas seja a Grande Depressão de 1929, que lançou a primeira transformação do capitalismo e, em seguida, múltiplos momentos de convergência ao longo da linha Ocidente-Rússia.


Artigo originalmente publicado em russo em: https://news.myseldon.com/ru/news/index/226685773

Divulgado pelo facebook do Ministério dos Assuntos Estrangeiros da Rússia em:

https://www.facebook.com/MIDRussia/posts/2367583256674435