• Equipe Sputnik Consulting

Don-2N: O coração da defesa de Moscou.

O posto de comando da estação de radar Don-2N é talvez a instalação mais secreta da Rússia. Este é o coração da defesa antimísseis de Moscou. 24 horas por dia, sete dias por semana aqui estão constantemente monitorando tudo o que está acontecendo em nosso planeta no espaço próximo. Surpreendentemente, os cientistas soviéticos desenvolveram o "Don-2N" ainda nos anos 70 do século passado. Nenhum país do mundo conseguiu repetir esse projeto científico e técnico. Na aparência, o posto de comando "Don-2N" é semelhante à pirâmide egípcia.





Na sua fatia superior pode acomodar um campo de futebol. No entanto, componentes importantes do equipamento de controle ficam ocultos a uma profundidade de seis metros em uma estrutura subterrânea especial. O enorme círculo cinza no centro da pirâmide é um radar de 16 metros. Ele detecta lançamentos de mísseis em qualquer lugar do mundo. As antenas de matriz em fases são incorporadas neste radar. Ou seja, o feixe do radar possui controle eletrônico. A antena não precisa girar, o próprio sistema lança o feixe no espaço em busca de um alvo. Cada treliça possui 60 mil emissores. Cada feixe transmite um sinal em um ângulo diferente e a diferentes distâncias. Demora uma fração de segundo. O Don-2N pode rastrear 100 alvos simultaneamente a uma altitude de até 40 mil quilômetros. Mas o mais importante é que o radar é capaz de distinguir com precisão a ogiva de um míssil balístico de uma ogiva falsa. Como os mísseis balísticos voam a uma velocidade de pelo menos 7 quilômetros por segundo, apenas computadores de combate podem responder adequadamente a isso. E eles estão aqui em quantidade suficiente. Em geral, o escudo nuclear de Moscou consiste em lançadores e mais de 100 mísseis interceptadores. É para eles que todas as informações de "DON-2N" são fornecidas. Como isso funciona? Por exemplo, um míssil balístico é lançado em algum lugar. Nos primeiros segundos, seu curso não é conhecido. No entanto, o satélite russo de reconhecimento já vê o foguete. As informações chegam automaticamente no posto de comando da estação de radar no Sofrino. Ele calcula as coordenadas do foguete, velocidade e trajetória. Isso é necessário para em caso de ameaça de derrubar uma ogiva nuclear a centenas de quilômetros da capital. A propósito, Don-2N monitora não apenas alvos militares, mas também civis. Por exemplo: satélites estrangeiros. À primeira vista, um aparato espacial pode parecer pacífico, um foguete, um projeto científico. No entanto, a qualquer momento, a situação pode mudar e os objetivos podem ameaçar a segurança do país. Como dizem os trabalhadores da estação Don-2N, houve momentos em que algum país lançou um foguete e não informou ninguém a respeito. Isso já pode ser considerado um ataque de míssil. Portanto, a tarefa dos especialistas do Don-2N é distinguir a ameaça real do lançamento de um foguete comercial ou meteorológico. Todos os desenvolvimentos e tecnologias da estação de radar DON-2N são informações estritamente classificadas. Sabe-se apenas que quase todas as agências de construção do país participaram do trabalho de criação do mais recente radar. Cada agência concluiu sua parte da tarefa e não sabia de outros projetos. No entanto, já 6 anos após o lançamento do projeto, em 1978, a construção em larga escala do gigante antimísseis balístico começou em Sofrino, perto de Moscou. Foi um avanço técnico poderoso. Absolutamente todas as tecnologias e materiais, de parafusos a microchips, foram fabricados apenas na União Soviética. No trabalho do radar, os engenheiros secretos soviéticos foram os primeiros do mundo a usar o processamento digital de sinais.

Fato conhecido: em 1994, a Rússia e os Estados Unidos realizaram um experimento conjunto. Três bolas de metal foram lançadas no espaço: 15,10 e 5 centímetros. Tanto o russo Don-2N quanto o americano Cobra rapidamente viram os dois primeiros alvos. No entanto, apenas um Don-2N conseguiu detectar uma bola de 5 centímetros no espaço. No exterior, a estação foi apelidada de oitava maravilha do mundo.

100 visualizações