• Equipe Sputnik Consulting

II Guerra: A indústria cultural americana, uma fábrica de fake news.

A bem-sucedida campanha de 70 anos para convencer o mundo de que os EUA e não URSS venceu Hitler.


A II Guerra é, provavelmente, o evento histórico mais documentado, todo os anos diversas produções culturais trazem a II Guerra como tema, porém é, em grande medida, desconhecido em seus processos históricos reais pelo fato de que sua grande importância do ponto de vista político suscitou uma imensa investida ideológica e cultural por parte dos EUA pelo domínio de sua narrativa.

A indústria cultural americana coloca o Dia D (em 06 de julho de 1944 quando a derrota nazista já estava decidida) como a batalha fundamental na derrota da Alemanha. Uma mentira que não resiste à uma breve análise dos números:

Divisões alemãs nas Frentes Oriental e Ocidental em porcentagem

Frente Oriental Frente Ocidental Outra

1942: 179 (79%) 38 (17%) 9 (4%)

1943: 187 (73%) 50 (20%) 19 (7%)

1944: 165 (60%) 86 (31%) 23 (9%)

Em 1945, a maioria dos franceses achava que a União Soviética era a maior responsável pela derrota da Alemanha nazista na Segunda Guerra. Em 1995 e 2004, no entanto, os franceses haviam mudado de ideia e já acreditavam que os EUA foram os maiores contribuintes para a vitória na Europa (dados da pesquisa do Instituto Francês de Opinião Pública Ifop):



Se a derrota do exército alemão era a tarefa estratégica central, o palco principal era o conflito na frente oriental. O exército alemão foi enfraquecido pela primeira vez lá e depois recuou, antes que o peso principal das forças terrestres e aéreas aliadas fosse exercido apenas em 1944.

Ao longo da operação, cerca de 4 milhões de soldados do Eixo, a maior força de invasão da história das guerras, invadiu a União Soviética ocidental ao longo de uma frente de gigantesca, do Ártico ao Mar Negro. Além das tropas, a Wehrmacht empregou cerca de 600 mil veículos a motor e entre 600 000 e 700 000 cavalos.

Operação Barbarossa:

3,8 milhões de soldados 3 350–3 795 tanques 3 030–3 072 veículos blindados 2 770 aeronaves 7 200 peças de artilharia

A guerra no Leste foi travada com uma ferocidade quase desconhecida nas frentes ocidentais, as batalhas em Stalingrado e Kursk quebraram a espinha do exército alemão e foi a União soviética, graças à sua economia planificada, indústria e direção política, a grande responsável pela libertação dos povos da Europa e derrota do nazifascismo.

0 visualização