• Equipe Sputnik Consulting

Infraestrutura, conectividade e estabilidade política na Eurásia

Atualizado: Jun 8

A localização geográfica do país predetermina amplamente sua política externa, bem como a trajetória de seu desenvolvimento socioeconômico. No entanto, mesmo as limitações geográficas mais negativas podem ser superadas através da conectividade e compatibilidade, que são o passaporte para o sucesso da integração da Eurásia.

Hoje, a conectividade geográfica, que trata da infraestrutura física, e a compatibilidade geográfica, que implica estruturas institucionais e políticas, assumiram maior importância para permitir a livre circulação de mercadorias e pessoas. Superando as limitações geográficas, elas promovem interesses comuns, aumentando a estabilidade e reduzindo o potencial para o conflito.

Todo projeto de integração, a saber, a União Europeia, a Iniciativa do Cinturão e Rota ou a União Econômica da Eurásia, ocupa um nicho próprio. Para tornar o espaço euroasiático realmente conectado e compatível, de Xangai a Lisboa, os projetos precisam cooperar. Desta forma, o acordo sobre o ajuste da União Econômica da Eurásia com o Cinturão Econômico da Rota da Seda, bem como a possível plataforma de compatibilidade UE-China, fazem parte do processo.

O próximo passo poderia ser o quadro entre a UE e a União Econômica da Eurásia. O principal beneficiário dessa cooperação seria a Europa Oriental, que já foi afetada pelos processos na Eurásia. Por exemplo, a iniciativa chinesa 16 + 1 que tem o potencial de modificar o padrão binário habitual da política na Europa Oriental, que é o dilema entre Rússia e Ocidente.

No entanto, qualquer projeto exige que sejam cumpridas condições mínimas, como confiança e comunicação eficiente entre os participantes, hoje tão carentes. Até os projetos mais ambiciosos e com bons recursos podem desaparecer sob a pressão dos problemas e diferenças existentes.















INFRAESTRUTURA, CONECTIVIDADE

E ESTABILIDADE POLÍTICA NA EURÁSIA.

Yauheni Preiherman

sputnik-consulting.com

valdaiclub.com

Maio de 2018.

Sobre o autor

Yauheni Preiherman

Chefe da Iniciativa de Diálogo de Minsk (Bielorrússia),

Doutorando, Universidade de Warwick

Esta publicação e outros artigos também estão disponíveis em

http://valdaiclub.com/a/valdai-papers/

As opiniões e opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade dos autores e não representam necessariamente os pontos de vista do Clube de Discussão de Valdai ou de Sputnik Consulting, a menos que explicitamente indicado de outra forma.

© Fundação para o Desenvolvimento e Suporte do clube de discussão Valdai, 2018

42 Bolshaya Tatarskaya st., Moscou, 115184, Rússia

Sputnik Consulting Avenida Paulista, 726, 17o Andar, conjunto 1707, Bela Vista, São Paulo – SP, CEP: 01310-100

A localização geográfica do país predetermina amplamente sua política externa, bem como a trajetória de seu desenvolvimento socioeconômico. No entanto, mesmo as limitações geográficas mais negativas podem ser superadas através da conectividade e compatibilidade, que são o passaporte para o sucesso da integração da Eurásia.

Hoje, a conectividade geográfica, que trata da infraestrutura física, e a compatibilidade geográfica, que implica estruturas institucionais e políticas, assumiram maior importância para permitir a livre circulação de mercadorias e pessoas. Superando as limitações geográficas, eles promovem interesses comuns, aumentando a estabilidade e reduzindo o potencial para o conflito.

Todo projeto de integração, a saber, a UE, a Iniciativa do Cinturão e Rota ou a União Econômica Eurasiática, ocupa um nicho próprio. Para tornar o espaço euroasiático realmente conectado e compatível, de Xangai a Lisboa, os projetos precisam cooperar. Desta forma, o acordo sobre o ajuste do União Econômica Eurasiática com o Cinturão Econômico da Rota da Seda, bem como a possível plataforma de compatibilidade UE - China, fazem parte do processo.

O próximo passo poderia ser o quadro entre a UE e a União Econômica Eurasiática. O principal beneficiário dessa cooperação seria a Europa Oriental, que já foi afetada pelos processos na Eurásia. Por exemplo, a iniciativa chinesa 16 + 1 que tem o potencial de modificar o padrão binário habitual da política na Europa Oriental que é a Rússia vs. Dilema do Ocidente.

No entanto, qualquer projeto exige que sejam cumpridas condições mínimas, como confiança e comunicação eficiente entre os participantes, hoje tão carentes. Até os projetos mais ambiciosos e com bons recursos podem desaparecer sob a pressão dos problemas e diferenças existentes.

Os benefícios para a segurança e estabilidade política usufruídos por países e regiões com a conectividade da infraestrutura podem parecer absolutamente diretos. Em um nível puramente intuitivo, é fácil concluir que projetos de infraestrutura internacional em larga escala têm um forte impacto sobre os estados participantes e suas relações. Tais projetos geram novas oportunidades e, consequentemente, interesses geralmente compartilhados ou compatíveis e geralmente não competitivos por natureza. Para garantir que os projetos de infraestrutura criem benefícios e oportunidades constantemente, países, comunidades empresariais e indivíduos precisam de estabilidade, previsibilidade e transparência em regras. Portanto, além dos efeitos econômicos, as principais iniciativas de infraestrutura sempre podem e espera-se que tenham efeitos, principalmente, na esfera da estabilidade e segurança políticas. No entanto, iniciativas internacionais criativas, incluindo projetos de infraestrutura, não existem no vácuo. Quaisquer que sejam os objetivos que seus proponentes tenham em mente, a fase de desenho invariavelmente envolve fatores estruturais das relações internacionais e as especificidades das interações entre atores estatais e não estatais.

Portanto, ao discutir as possibilidades de usar grandes projetos de infraestrutura para construir sistemas menos propensos a conflitos de relações regionais e inter-regionais, é importante não se deixar levar. Expectativas positivas devem ser atenuadas por realismo. Primeiro, condições mínimas devem ser atendidas para harmonizar e implementar com sucesso um projeto de infraestrutura em larga escala, como confiança e comunicação eficiente entre os países participantes. De certa forma, esse é um dilema. A própria ideia de um projeto de infraestrutura internacional deve ajudar a construir confiança e estabelecer uma comunicação multicamada eficaz. No entanto, sem esses fatores disponíveis em um nível mínimo desde o início, o lançamento de um grande projeto representa um risco excessivo para seus iniciantes e investidores e, muitas vezes, não o iniciam.

Segundo, além dos efeitos positivos dos projetos de infraestrutura que promovem a solução de conflitos, pode-se esperar efeitos que, pelo contrário, ameaçam reavivar conflitos antigos ou preparar o terreno para novos. Finalmente, os planos de infraestrutura podem provar não ter influência na segurança e conflitos regionais - nem positivos nem negativos. Como resultado, mesmo os projetos mais ambiciosos e com mais recursos podem desaparecer sob a pressão dos problemas e diferenças existentes.

Com base nessas premissas teóricas gerais, este artigo analisa os possíveis efeitos de projetos de infraestrutura transcontinental para estabilidade e segurança políticas na Eurásia, particularmente no Leste Europeu.

Características estruturais

da Europa Oriental

Para os fins deste artigo, a região da Europa Oriental é entendida como o cinturão dos países que se estendem desde os estados bálticos (Lituânia, Letônia, Estônia), para Bielorrússia, Ucrânia e Moldávia. Geograficamente, a região está localizada entre os núcleos europeu e asiático da Eurásia. De fato, divide o continente eurasiano em duas partes, que historicamente estão em estado de competição e até de confronto, intercaladas com períodos de cooperação de graus variados de intensidade. Politicamente, a Europa Oriental não é homogênea hoje. Pode-se até dizer que a justificativa e a conveniência analítica para se referir a ela como uma entidade geopolítica separada (região) estão diminuindo a cada ano que passa. Os países bálticos são membros da UE e da OTAN. Eles constroem suas narrativas de política externa e se posicionam na esfera da segurança, atentos ao seu status de membros da integração euro-atlântica. Eles mantêm laços institucionais básicos com a Rússia e as relações tendem a entrar em conflito. A Ucrânia tem desenvolvido características sistêmicas semelhantes em anos recentes. O conflito que eclodiu em 2014 entre a Rússia e a Ucrânia não tem precedentes na era pós-soviética em termos de escala e intensidade. Desde então, as relações entre os países caíram vertiginosamente, às vezes oscilando à beira de uma ruptura diplomática. Não há motivos para esperar que as relações voltem ao normal em breve, mesmo que as ambições de Kiev para a integração euro-atlântica não sejam realizadas sob a forma de plena adesão à UE ou à OTAN em um futuro próximo. A conectividade institucional da Ucrânia com o espaço pós-soviético também está se reduzindo a nada, apesar de continuar associada à Comunidade de Estados Independentes (CEI). A posição estrutural e as aspirações da política externa da Moldávia aparecem da mesma maneira. Até recentemente, os países da UE homenagearam Chisinau com o título informal de 'campeã' da iniciativa da Parceria Oriental. Acreditava-se que a Moldávia estava avançando rumo à euro-integração com mais rapidez e eficiência do que outros entusiastas do euro dentre as ex-repúblicas soviéticas. Em particular, Chisinau foi a primeira a receber o beneficio de viagens sem visto para a UE e também concluiu relativamente rapidamente um Acordo de Associação. No entanto, desenvolvimentos, em certa medida, reduziram o otimismo sobre as perspectivas europeias desse país. Uma série de escândalos, incluindo o roubo de um bilhão de euros, fez com que países e instituições da UE lançassem um olhar mais crítico à Moldávia. Quanto à OTAN, Chisinau não está ansiosa para se tornar um membro, preferindo manter a neutralidade. As aspirações euro-atlânticas continuam a dominar a política da Moldávia, embora também exista um desejo amplo de buscar relações mais estreitas com a Rússia na sociedade moldava. Chisinau continua a participar da CEI, e alguns políticos demonstram interesse em certas formas de cooperação com a União Econômica da Eurásia (União Econômica Eurasiática). Este caleidoscópio é ilustrado no confronto político entre o presidente Igor Dodon e o governo.

A Bielorrússia se destaca no contexto regional. O país pertence a todas as principais associações de integração no espaço pós-soviético, como a CEI, a CSTO (Organização do Tratado de Segurança Coletiva) e a União Econômica Eurasiática.

Além disso, Minsk é membro da União Estatal da Bielorrússia e da Rússia, subjacente à relação bilateral especial com Moscou. No entanto, a Bielorrússia ainda tem relações pouco desenvolvidas com os países do Ocidente político.

Até o momento, a Bielorrússia não conseguiu concluir um quadro de acordos bilaterais com a UE. O Acordo de Parceria e Cooperação foi assinado em 1995, mas nunca entrou em vigor e não foi ratificado por todos os estados membros da UE. Portanto, Minsk e as capitais da UE estão, de fato, interagindo com base no acordo de 1989 entre a União Soviética e a Comunidade Econômica Europeia. As relações Bielorrússia-EUA são quase as mesmas. Após a crise diplomática de 2008, Minsk e Washington permanecem representados nas capitais um do outro apenas no nível encarregados de negócios.

De fato, um processo lento e complexo, de normalização tem sido o desdobramento das relações entre a Bielorrússia e o Ocidente político nos últimos anos, como evidenciado pela decisão de Bruxelas de suspender a maioria das sanções e pela decisão de Washington de congelá-las. Minsk precisa dessa normalização para atrair investimentos estrangeiros e encontrar novos mercados para seus produtos, além de minimizar os riscos de incerteza, considerando como o sistema de segurança regional está desequilibrado.

É essencial considerar o contexto estrutural acima, no qual os países do Leste da Europa se encontram para entender os possíveis efeitos de segurança causados ​​por grandes projetos transcontinentais. Este artigo enfoca principalmente os projetos de infraestrutura da China sob a Iniciativa do Cinturão e Rota (Novas Rotas da Seda) como material empírico para análise

A conectividade deve ser entendida como um nível de desenvolvimento da infraestrutura física que possibilita mover pessoas e objetos. Por analogia com a terminologia militar, a conectividade indica a possibilidade de movimento espacial relativamente rápido e desimpedido. Quanto mais diversificada e desenvolvida a infraestrutura física, e quanto maior a sua velocidade, maior o grau de conectividade geográfica. O conceito de compatibilidade é usado em um sentido mais amplo neste artigo. Além da conectividade física, há conectividade institucional-contratual, além de circunstâncias sócio-políticas necessárias à cooperação. Em outras palavras, a compatibilidade é determinada não apenas pela disponibilidade de recursos físicos, infraestrutura, como estradas e centros de logística, mas também a capacidade de vários atores de usar livremente essa infraestrutura. Em particular, demonstra até que ponto as especificidades das legislações nacionais e as disposições dos tratados interestatais permitem a circulação sem impedimentos de bens, serviços, capital e trabalho através das fronteiras e entre várias associações de integração. Até que ponto as oportunidades de intercâmbios econômicos ou humanos com o uso da infraestrutura existente são limitadas ou dependem da situação política? E as relações políticas entre Estados e sociedades são propícias a um maior uso da infraestrutura física?

A distinção entre os conceitos de conectividade e compatibilidade complica ainda mais a construção lógica apresentada esquematicamente na introdução. Agora, a questão não é apenas a relação dos projetos de infraestrutura com a estabilidade e a segurança política, ou seja, qual desses fatores ocorre primeiro e contribui para o desenvolvimento do outro? O dilema Chicken-Egg também se estende ao par de conectividade e compatibilidade. O que vem primeiro e estimula o desenvolvimento do outro? O surgimento de infraestrutura física estimula o desenvolvimento da estrutura legal e intensifica os contatos políticos? Ou o investimento na construção de infraestrutura física é um desperdício, a menos que a estrutura legal e os contatos políticos já estejam em vigor? Tendo em mente todas essas perguntas e a maneira como os conceitos estão inter-relacionados, analisamos os possíveis efeitos de projetos de infraestrutura transfronteiriça para segurança e cooperação na Eurásia em geral e na Europa Oriental em particular.

Expectativas positivas para a Eurásia

Conectividade geográfica

Na sua forma mais geral, as expectativas positivas para os projetos transfronteiriços na Eurásia baseiam-se em melhorias na conectividade física, o que implica o próprio fato de sua planejada existência futura.

Em muitas partes do vasto espaço da Eurásia, existe um óbvio vácuo de infraestrutura que inibe o desenvolvimento de países individualmente e restringe bastante as oportunidades de cooperação internacional. Além disso, o problema de 'lacunas' de infraestrutura está intimamente ligado ao problema de 'lacunas' de densidade populacional no espaço da Eurásia (3). Na ausência de desenvolvimento de infraestrutura, é difícil esperar que esses territórios se tornem atraentes para os investidores, sem falar nos novos colonos.

Para a Europa Oriental, esse problema não é tão grave. Em comparação com a "área de inacessibilidade", esta parte do espaço da Eurásia tem um desenvolvimento de infraestrutura logística com uma taxa de penetração relativamente alta.

No entanto, há também uma clara necessidade de atualizar a infraestrutura física existente e criar uma nova, que pode fornecer à região vantagens competitivas adicionais como parte dos corredores de transporte e logística transcontinentais existentes e em potencial. A expansão da conectividade de infraestrutura na fronteira entre a Europa Oriental e Central parece particularmente importante. As diferentes larguras de vias férreas - 1.520 mm e 1.435 mm - são uma espécie de símbolo de desconexão nessa fronteira.

Mas oportunidades perdidas, e não simbolismo, é o que importa. Nesse sentido, a principal expectativa é que melhorias qualitativas nas infraestruturas de transporte e logística possam gradualmente dar origem a interesses compatíveis entre vários atores estatais e não estatais na Europa Oriental e Central e em todo o espaço eurasiático de maneira mais ampla. Principalmente, a questão é sobre interesses econômicos, que em teoria deveriam suavizar as divisões políticas e melhorar a estabilidade da estrutura de segurança.

Essa expectativa está subjacente a várias iniciativas e grupos de especialistas, que, por exemplo, promovem a ideia de cooperação entre a UE e a União Econômica Eurasiática. Em meio às sanções de todos os lados entre a Rússia e União Europeia, bem como a relutância das instituições e dos membros da UE em reconhecer a União Econômica Eurasiática como um parceiro de pleno direito, a única estratégia para avançar é dar pequenos passos. A cooperação em infraestrutura parece ser a área mais aceitável para se tomar essas medidas. De fato, tanto no nível retórico quanto no prático, os projetos de infraestrutura geralmente causam a menor resistência, mesmo em climas políticos desfavoráveis, desde que atendam aos interesses básicos dos participantes e que haja uma comunicação adequada com as partes interessadas. Além disso, no caso da UE e da União Econômica Eurasiática, o ajuste de vários corredores de transporte internacionais existentes e planejados vem imediatamente à mente. Por exemplo, a integração de sua infraestrutura de transporte com os corredores pan-europeus, bem como com os corredores Leste-Oeste e norte-sul da Eurásia parece particularmente atraente para a EAE (4).

Os acordos assinados durante a cúpula de Bruxelas da Parceria do Leste, em 24 de novembro de 2017, para a expansão da Rede Transeuropeia de Transportes (RTE-T) é um bom exemplo. Eles foram assinados pela UE e pelos países da Parceria Oriental. A implementação desses acordos pode agregar valor à conectividade geográfica da UE, dos países da Parceria Oriental, do União Econômica Eurasiática e dos países asiáticos, especialmente se essa infraestrutura for parte integrante de projetos eurasianos transcontinentais maiores. É importante ressaltar que as bases foram estabelecidas para isso. Bruxelas manifestou suas intenções criando a plataforma de compatibilidade UE-China (5). A União Econômica Eurasiática, por seu lado, chegou a um acordo sobre o ajuste com o Cinturão Econômico da Rota da Seda. Ou seja, hoje existem, de fato, duas estruturas (embora ainda em forma embrionária), que fundamentam não apenas a conectividade, mas também a compatibilidade desde Xangai até Lisboa. Só é necessário mais uma - aquela entre a UE e a União Econômica Eurasiática. Do ponto de vista da estabilidade regional, esse ajuste e conectividade deve fornecer pelo menos garantias mínimas de que o clima político entre a Rússia e o Ocidente não se deteriorará ainda mais. Ou seja, criar incentivos para os lados manterem o confronto sob controle e não fecharem canais de trabalho de cooperação mutuamente benéfica, inclusive no Leste Europeu. Idealmente, eles devem contribuir para a gradual diminuição das tensões. Além disso, a experiência de interação entre Estados da Europa Oriental e as iniciativas transcontinentais da China mostram que as expectativas de maior conectividade nesta parte da Eurásia vão muito além das de infraestrutura. Consequentemente, há mais razões para esperar efeitos positivos para a estabilidade e segurança políticas. A iniciativa 16 + 1, que serve como plataforma para intensificar a cooperação da China com os países da Europa Central e Oriental, é um exemplo disso. Lituânia, Letônia e Estônia são participantes de pleno direito da Europa Oriental nesta iniciativa. Outros Estados da região têm status de observador, mas estão demonstrando grande interesse em participar. Além do desenvolvimento prospectivo de transporte e infraestrutura logística em seu próprio território (incluindo a infraestrutura de hubs logísticos) e tornando-a parte de rotas transcontinentais poderosas, os países da região esperam novas oportunidades em outras áreas:

• comércio e investimento (incluindo acesso mais livre ao crescente mercado chinês, mercado para seus produtos agrícolas); • cooperação no campo da produção industrial e energia; • cooperação financeira (principalmente recursos de crédito chineses); • atrair turistas chineses, bem como oportunidades de intercâmbio acadêmico e profissional (6). Ou seja, o diálogo sobre o alinhamento da infraestrutura física naturalmente gera interesses mais diferenciados, de vários níveis e sistêmicos. Está ocorrendo algum tipo de efeito de vazamento funcional, em que a captura de oportunidades em algumas esferas cria oportunidades em outras, e isso gera a necessidade de maiores níveis de conforto, funcionalidade e estabilidade. Consequentemente, a necessidade de cooperação na esfera da segurança também está se expandindo em uma ampla gama, desde questões políticas e militares tradicionais até a próxima geração de ameaças emanadas de atores não estatais. Nesse contexto, a China pode potencialmente desempenhar um papel estrutural especial. Para a Europa Oriental, as políticas da China representam um novo fator geoestratégico. A presença expandida da China na região pode modificar substancialmente a estrutura binária habitual de segurança e as relações internacionais enraizadas no dilema Rússia x Ocidente. Na versão mais criativa, os projetos transcontinentais poderiam, como fios, unir a Eurásia a interesses econômicos e políticos comuns. Como resultado, pode-se esperar uma 'ordem adequada no espaço estratégico' e uma abordagem qualitativa Além disso, a experiência de interação entre países da Europa Oriental Estados e as iniciativas transcontinentais da China mostram que as expectativas de maior conectividade nesta parte da Eurásia vão muito além das de infraestrutura. Consequentemente, há mais razões para esperar efeitos positivos para a estabilidade e segurança políticas. A iniciativa 16 + 1, que serve como plataforma para intensificar a cooperação da China com os países da Europa Central e Oriental, é um exemplo disso. Lituânia, Letônia e Estônia são participantes de pleno direito da Europa Oriental nesta iniciativa. Outros estados da região têm status de observador, mas estão demonstrando grande interesse em participar. Além do desenvolvimento prospectivo de transporte e logística infraestrutura em seu próprio território (incluindo a infraestrutura de hubs logísticos) e tornando-a parte de rotas transcontinentais poderosas, os países da região esperam novas oportunidades em outras áreas: • comércio e investimento (incluindo acesso mais livre ao crescente mercado chinês mercado para seus produtos agrícolas); • cooperação no campo da produção industrial e energia; • cooperação financeira (principalmente recursos de crédito chineses); • atrair turistas chineses, bem como oportunidades de intercâmbio acadêmico e profissional (6). Ou seja, o diálogo sobre o alinhamento da infraestrutura física naturalmente gera interesses mais diferenciados, de vários níveis e sistêmicos. Está ocorrendo algum tipo de efeito de vazamento funcional, em que a captura de oportunidades em algumas esferas cria oportunidades em outras, e isso gera a necessidade de maiores níveis de conforto, funcionalidade e estabilidade. Consequentemente, a necessidade de cooperação na esfera da segurança também está se expandindo em uma ampla gama, desde questões políticas e militares tradicionais até a próxima geração de ameaças emanadas de atores não estatais. Nesse contexto, a China pode potencialmente desempenhar um papel estrutural especial. Para a Europa Oriental, as políticas da China representam um novo fator geoestratégico. A presença expandida da China na região pode modificar substancialmente a estrutura binária habitual de segurança e as relações internacionais enraizadas no dilema Rússia x Ocidente. Na versão mais criativa, os projetos transcontinentais poderiam, como fios, unir a Eurásia a interesses econômicos e políticos comuns. Como resultado, pode-se esperar uma 'ordem adequada no espaço estratégico' e uma abordagem qualitativa de redução de riscos à segurança (7). Nesse cenário, a Europa Oriental talvez, seja o principal beneficiário em termos de estabilidade e segurança estratégicas, porque as principais falhas geopolíticas ocorrem aqui. Aliás, o papel de conexão dos projetos transcontinentais pode causar ainda mais impacto em meio à disseminação de 'alianças de projetos' e à natureza mutável da aliança nas relações internacionais (8). A conectividade da infraestrutura em escala transcontinental cimentará os interesses comuns fundamentais, possibilitando reduzir as flutuações no 'balanço da cooperação', que inevitavelmente surgirão como resultado da formação constante de novas coalizões baseadas em interesses. Parece que todos os países deveriam se interessar por esse efeito aglutinador, incluindo os grandes Estados, que suportam o peso de financiar projetos e alianças de integração, e os Estados menores, que por razões óbvias são particularmente sensíveis e vulneráveis ​​à imprevisibilidade da cooperação'. No entanto, todas as expectativas positivas acima mencionadas para a conectividade da infraestrutura ainda são hipotéticas. Mesmo no melhor cenário, isso não é algo que acontecerá da noite para o dia. A implementação levará mais do que apenas tempo, será necessário superar muitas complexidades geopolíticas, que serão discutidas abaixo. Além disso, a novidade do fator China na Europa Oriental tem uma desvantagem. Além das expectativas positivas, a atividade da China está causando cautela significativa. Portanto, a probabilidade de resultados positivos depende em grande parte da substância das políticas chinesas e como elas são percebidas pelos principais países da Eurásia e Euro-Atlânticos. Quais problemas a conectividade não pode resolver sem compatibilidade? As expectativas positivas para os projetos transcontinentais discutidos acima são amplamente baseadas em premissas liberais da teoria das relações internacionais. Com base na ideia de ganho econômico como principal fator do comportamento internacional, a conectividade da infraestrutura resulta no interesse da estrutura em cooperação sustentável em um ambiente seguro e estável. No entanto, apenas o ganho econômico é suficiente para fazer da conectividade de infraestrutura um motivador primário de comportamento nas relações internacionais? Eventos recentes em diferentes partes do mundo estão levando a crescentes dúvidas sobre isso. Cada vez mais vemos fatores de ação que podem ser descritos em termos de realismo clássico e estrutural, em vez de liberalismo, que é claramente visível na Europa Oriental e em outros lugares. A estrutura estratégica de segurança aqui permanece binária, refletindo a influência do dilema Ocidente vs. Rússia. As narrativas de segurança nacional confiam nessa estrutura binária. Por exemplo, a tese sobre o papel de ligação da China e seus projetos de infraestrutura permaneceu até agora um desejo normativo (embora compartilhado por muitos) e uma perspectiva remota. Na prática, estamos testemunhando tendências na direção oposta. De fato, uma 'ruptura' geopolítica da região da Europa Oriental está ocorrendo sob a influência de tensões político-militares, que se manifestam no posicionamento fundamentalmente diferente e no comportamento da política externa dos Estados da Europa Oriental. Isso se deve às circunstâncias acima mencionadas de sua posição internacional e associação institucional. Nas circunstâncias atuais, os Estados balticos, a Ucrânia e, em menor grau, a Moldávia veem se posicionando como os 'Estados da linha de frente' na luta civilizacional contra a Rússia como a melhor oportunidade disponível para melhorar sua segurança. Portanto, é do interesse deles preservar ou até aumentar as tensões entre a Rússia e o Ocidente, o que se reflete diretamente em suas ações. Pelo contrário, com base nas suas circunstâncias estruturais, a Bielorrússia tem um forte interesse em atenuar as tensões internacionais. Portanto, as iniciativas cada vez mais assertivas vindas de Minsk destinam-se a diminuir as relações entre a Rússia e o Ocidente, incluindo uma iniciativa para lançar um amplo processo de negociação com a participação das principais potências mundiais. À medida que o confronto geopolítico continua se aprofundando, essas duas abordagens de política externa fundamentalmente diferentes estão entrando em conflito direto, levando a uma 'ruptura' na região da Europa Oriental. Como esses comportamentos estatais têm raízes mais profundas do que as escolhas meramente subjetivas das elites políticas, a "ruptura" regional é fundamental e constitui um sério obstáculo no caminho para projetos transcontinentais. Até que ponto o interesse dos principais atores fora da Europa Oriental, gerado por megaprojetos de infraestrutura, leva os países da região a adaptar suas narrativas de segurança? Por exemplo, e se assumirmos que os principais Estados podem encontrar uma linguagem comum entre si? É claro que, nesse caso, os Estados da Europa Oriental serão forçados a aceitar as regras do jogo. No entanto, isso exigirá mais do que apenas acordos abstratos, exigirá o desenvolvimento de compatibilidade política entre os projetos de integração promovidos pelos principais Estados. Acima de tudo, estamos falando de relações União Europeia – União Econômica da Eurásia, que se tornaram o componente-problema-chave em qualquer grande esforço prospectivo para alcançar a harmonização transcontinental. Em outras palavras, parar a 'ruptura' geopolítica da Europa Oriental só é possível se houver uma agenda política positiva de ordem superior, que exija a conclusão de grandes acordos entre os principais Estados dos espaços da Eurásia e, provavelmente, até do euro-atlântico. De onde estamos hoje, parece irreal. É pouco provável que o fator de interesse da China mude a situação. Ainda mais, uma vez que as percepções da própria China são confusas, especialmente na UE. Os projetos e iniciativas da China parecem para muitos uma forma crescente de expansão geopolítica. Além das preocupações geopolíticas, as tensões estão aumentando no programa de relações econômicas entre a China e a UE. Em particular, eles se manifestam nas conversações sobre a conclusão de um acordo de investimento entre a UE e a China. Além disso, as instituições da UE estão ficando cada vez mais preocupadas com a iniciativa 16 + 1, pois muitos funcionários europeus acreditam que Pequim está usando essa ferramenta para causar uma ruptura na política única da UE. Por sua vez, os representantes oficiais da China negam veementemente qualquer suspeita de que estejam promovendo uma agenda oculta sob o disfarce de projetos de infraestrutura na Europa que visem impulsionar a política única da UE ou alcançar o domínio geopolítico. Contudo, surgem inevitavelmente questões até ao nível da cooperação puramente técnica, que corrobora os receios de muitos na UE. Um exemplo é a ligação ferroviária financiada pela China entre Belgrado e Budapeste. Pequim redireciona as alegações da Comissão Europeia sobre a inconsistência do projeto com as normas reguladoras da UE para a Hungria e as próprias instituições da UE. Assim, um atrito adicional inevitavelmente surge entre os últimos. A própria iniciativa 16 + 1 indica que Pequim está mais inclinada a aprofundar as relações bilaterais com os países participantes e observadores, em vez de fortalecer o formato multilateral. Isso estimula automaticamente a concorrência e, ocasionalmente, interesses divergentes entre países da Europa Central e Oriental. À medida que a dissensão sobre as propostas da China aumenta dentro da UE, os interesses podem entrar em conflito, levando a grandes barreiras políticas aos projetos transcontinentais. Como resultado, a capacidade desses projetos de criar o ambiente adequado para reforçar a segurança também diminuirá. O mesmo efeito negativo poderia ser produzido pelos interesses conflitantes da China e dos Estados Unidos na Europa Oriental e Central. A Iniciativa dos Três Mares, que até agora foi aprovada por Washington e Pequim, pode ser um ponto crítico. No entanto, no futuro, essa iniciativa tem todas as chances de se tornar uma área de intensa competição, desde que as tensões nas relações EUA-China aumentem.



Conclusões

A interdependência da conectividade e compatibilidade da infraestrutura em projetos transcontinentais, bem como seu impacto na estabilidade e segurança políticas na Eurásia, é um dilema clássico do "ChickenEgg". Isso pode ser visto particularmente bem na Europa Oriental, onde muitas divisões geopolíticas são fortemente pronunciadas e exacerbadas. Hipoteticamente, há muitas razões para esperar que uma maior conectividade de infraestrutura incentive os estados participantes e os atores não estatais a serem mais compatíveis. Maior compatibilidade se traduzirá automaticamente em regras mais claras do jogo, estabilidade e segurança. No entanto, apesar de toda a consistência e normalidade de tais expectativas, elas estão claramente encontrando grandes obstáculos estruturais na forma de interesses geopolíticos conflitantes entre os estados da Europa Oriental, profundas divisões entre o Ocidente e a Rússia, além de uma crescente desconfiança da transcontinental China iniciativas na UE.


REFERÊNCIAS:


1 Lissovolik, Y & Sutyrin, V, 2017, ‘The geography of the Eurasian Economic Union: from challenges to opportunities’, Valdai Discussion Club report, October. Available from: http://valdaiclub.com/files/15777/

2 Misra, T, 2016, ‘How Hyperconnected Cities Are Taking Over the World’, Citylab. April 28. Available from: https://www.citylab.com/equity/2016/04/cities-drive-the-new-world-order-parag-khanna-connectographymaps/480165/

3 Lissovolik, Y & Sutyrin, V, 2017, ‘The geography of the Eurasian Economic Union: from challenges to opportunities’, Valdai Discussion Club report, October. Available from: http://valdaiclub.com/files/15777/

4 Laikov, K, 2017, ‘Evrazijskij sojuz i ES v bor’be za novuju transportnuju arhitekturu Evrazii’ [Eurasian Union and the EU Fighting for New Transportation Architecture in Eurasia], Eurasia Expert, December 20. Available from: http://eurasia.expert/evraziyskiy-soyuz-i-es-v-borbe-za-novuyu-transportnuyu-arkhitekturu-evrazii-kto-kogo/ 5 ‘China, the 16+1 Cooperation Format and the EU’, 2017, European Parliament. March. Available from: http://www.europarl.europa.eu/RegData/etudes/ATAG/2017/599313/EPRS_ATA%282017%29599313_EN.pdf

6 Przychodniak, M, 2017, ‘The 16+1 Initiative and Challenges for Cooperation between China and Central and Eastern European Countries’, The Polish Institute of International Affairs, December 5. Available from: http:// www.pism.pl/publications/bulletin/no-121-1061#

7 Ghiasy, R & Zhou, J, 2017, ‘The Silk Road Economic Belt. Considering Security Implications and EU-China Cooperation Prospects’, Stockholm International Peace Research Institute. Available from: https://www.sipri. org/sites/default/files/The-Silk-Road-Economic-Belt.pdf 8 Silaev, N & Sushentsov A, 2017, ‘Russia’s Allies and the Geopolitical Frontier in Eurasia’, Valdai Paper №66, April. Available from: http://ru.valdaiclub.com/files/16328/

0 visualização