• Equipe Sputnik Consulting

Sobre a memória da Grande Guerra Patriótica, Stalin e Hitler (entrevista TASS)

O projeto 20 perguntas para Vladimir Putin é uma entrevista com o presidente da Rússia sobre os assuntos mais importantes da vida social e política da Rússia e do mundo.



Vladimir Putin deu uma entrevista à Agência de Notícias Russa TASS.


Andrei Vandenko: Vitória. O 75º aniversário. Você acredita que é de fundamental importância que os líderes mundiais venham?


Vladimir Putin: De maneira alguma. É o nosso feriado. Mas acho que para nossos ex-aliados da coalizão anti-Hitler, a coisa certa a fazer seria vir aqui, tanto de uma posição política interna quanto moral. Estamos ansiosos para vê-los e teremos o maior prazer se eles vierem. Se não, bem, essa é a escolha deles. Mas acho que seria um erro da parte deles.


Andrei Vandenko: Você tem a sensação de que eles querem nos privar dessa vitória?

Vladimir Putin: Não, eu não. Isso é impossível. Isso iria contra o senso comum. Veja bem, existem algumas pessoas ignorantes que nem sabem escrever ou ler. Eles difundem todo tipo de lixo no Parlamento Europeu sobre a responsabilidade 'igual' de Hitler e Stalin. Bobagem completa. Você precisa observar a cadeia de eventos que começou entre 1918 e 1919 e o que estava acontecendo na época, quem assinou o pacto com Hitler. Aliás, Stalin, independentemente do que alguém pense dele (que ele era um tirano ou o que seja), nunca se desgraçou por ter contato direto ou cara a cara com Hitler. Além disso, nem um único documento foi assinado por Stalin e Hitler. Por outro lado, existem documentos assinados por Hitler e o primeiro-ministro britânico, Hitler e o primeiro-ministro da França. E também por Hitler e o líder da Polônia. E eles trabalharam com ele, com Hitler, realizaram inúmeras reuniões com ele e traíram a Tchecoslováquia. A Polônia dividiu a Tchecoslováquia com Hitler. De fato, eles concordaram em invadir a Tchecoslováquia. A única coisa que Hitler disse a eles foi: “Não faça isso no mesmo dia que nós. Não vamos atrapalhar um ao outro. Não queremos o que vocês fiquem além da região de Tesin". Foi um conluio total. Apenas leia. Tudo está nos documentos. Eu os tirei dos arquivos. Eu os olhei e os li.


Andrei Vandenko: Sim, lemos e ouvimos sobre isso.

Vladimir Putin: Claro, está tudo lá. E depois disso eles nos dizem quem é o culpado. Eles são os culpados a partir de 1938. Foi precisamente a Traição de Munique que foi o primeiro passo para iniciar a Segunda Guerra Mundial.


Andrei Vandenko: A Polônia coloca a União Soviética em pé de igualdade com ... Varsóvia oficialmente iguala a União Soviética à Alemanha de Hitler, culpando igualmente os dois lados e acusando os dois países de desencadear a Segunda Guerra Mundial. E imediatamente pegamos nossas luvas de boxe.


Vladimir Putin: Nós não estamos fazendo isso. Condenamos o protocolo secreto Molotov – Ribbentrop. A Rússia fez isso. Por sua vez, outros países também poderiam dizer honestamente como se sentem sobre a maneira como sua liderança agia naquela época. Deixe que eles se abram honestamente sobre isso, em vez de lançar algumas acusações e alegações fictícias e absolutamente infundadas.


Andrei Vandenko: Você está falando sobre o passado, enquanto estou focado no hoje. Veja…


Vladimir Putin: Não, não, não.


Andrei Vandenko: Os líderes poloneses não o convidaram para o 75º aniversário da libertação de Auschwitz.

Vladimir Putin: Isso não é grande coisa.


Andrei Vandenko: No entanto, Zelensky participou do evento e estava falando sobre a 1ª Frente Ucraniana, a 100ª Divisão Lvov…


Vladimir Putin: Todos nós sabemos que isso é um absurdo. Sabemos que esse é o cenário político de hoje. Mas e os milhões de ucranianos que lutaram contra Hitler e contra o nazismo? Para eles, isso é um tapa na cara. Eu te asseguro. Eles só têm medo de abrir a boca porque sabem que serão imediatamente sujeitos a intimidação. Eu sei como as pessoas se sentem em seus corações, aqueles que pegaram em armas para combater o nazismo. Isso é um tapa na cara deles. Mas o atual presidente da Ucrânia quer parecer bem aos olhos do atual governo da Polônia e, na minha opinião, esse é um erro terrível.


Andrei Vandenko: E o que você acha de slogans como "Podemos fazer isso de novo" na véspera de 9 de maio ...


Vladimir Putin: Que slogans?


Andrei Vandenko: Você sabe, os que geralmente são vistos na parte traseira de uma BMW ou Mercedes em 9 de maio ", podemos fazer de novo", "em direção a Berlim!", "Obrigado vovô pela vitória" ...


Vladimir Putin: "Obrigado, vovô pela vitória" é bom.


Andrei Vandenko: E quanto a "Podemos fazer isso de novo"?


Vladimir Putin: Você sabe? Pode ser interpretado de várias maneiras. A União Soviética foi submetida a um ataque terrível, horrível e imperdoável pela Alemanha nazista. Perdemos 27 milhões de pessoas. Nenhum outro país do mundo sofreu uma perda tão grande. Portanto, se alguém se atreve a tentar algo assim novamente, "podemos fazê-lo novamente".


Andrei Vandenko: Bem, teria sido melhor se nunca precisássemos.

Vladimir Putin: Claro, nós nunca quisemos e nunca desejaremos. Consequentemente, a liderança russa nunca olhou para essa questão desse ângulo. Portanto, se considerarmos o slogan que você mencionou dessa perspectiva, basta lembrar as palavras de Alexander Nevsky: "Todo aquele que vem com uma espada cairá pela espada".


Publicado pelo site oficial do Kremlin (kremlin.ru) em http://en.kremlin.ru/events/president/news/62963?fbclid=IwAR14q4ex01Tu2_OT3eIBVEM8UkNbszLWdWoexQkGFehWGRJxQaqAWPVM9Gg#sel=3:1:DYG,9:55:jjj