Posts Em Destaque

A formação e as conseqüências da ausência de pensamento

Uma infecção alimentar causada por um pacote de Doritos me fez permanecer basicamente o dia todo em casa ontem, 04/02, por coincidência o mesmo dia em que o ministro Sérgio Moro lançou aquele que, antes mesmo de ser anunciado, eu já considerava o projeto com nome mais esquisito que eu já tinha visto: “O Pacote de Leis Anticrime”. Lei Anticrime é algo como subir pra cima, descer pra baixo etc. Pude assistir boa parte da cobertura televisiva do assunto.

Ministro da Justiça e Segurança Pública Sérgio Moro

Eu assistia muito à televisão na minha juventude. Talvez eu devesse voltar a fazer isto para sair um pouco da minha bolha. A questão é que toda vez que tento sair da minha bolha política a tentativa dura uns cinco minutos. A impressão que tenho é que se eu passar uma hora vendo gente que votou no Bolsonaro e apoia o Moro conversando eu vou querer largar tudo e viver no mato desconectado do mundo. É mais ou menos a sensação que tive ontem.

Três livros moldaram a minha forma de enxergar o mundo. A Sociedade do Espetáculo, de Guy Debord, Eichmann em Jerusalém, de Hannah Arendt e Gostaríamos de informa-lo que amanhã seremos mortos com nossas famílias, de Philip Gourevitch. O primeiro trata sobre a espetacularização da vida, sobre a queda de importância do termo aparência e a consequente elevação de patamar da importância da aparência. Tudo é guiado a partir desta segunda característica em razão da mercantilização da vida, tudo passa a ser um produto a ser explorado, inclusive nós mesmos, principalmente no que se relaciona a mercado de trabalho. Os dois outros livros tratam de grandes tragédias da humanidade e do papel do “homem-comum” para que elas acontecessem. Tanto Arendt tratando o Holocausto judaico dos anos 1930-1940 quanto Gourevitch escrevendo sobre o genocídios dos tutsis em Ruanda em 1994 tratam os dois crimes como processos históricos. Tanto judeus, por séculos, quantos os tutsis, por décadas, foram perdendo seus direitos de tal forma que em um dado momento o único direito que ainda restava era a vida, de tal forma que de certa forma tanto o opressor quanto a vítima entendia como o passo lógico a ser dado o extermínio. Para isto é fundamental a existência do “homem-comum”, completamente incapaz de raciocinar, pronto para seguir o movimento de manada e que não consegue mais discernir o certo do errado. Assim era Eichmann, disse Arendt. Ele não era aquilo que tentamos caricaturar como monstro psicopata nazista, era um burocrata de estado que fazia tudo que o chefe mandava sem pensar, que tinha como preocupação básica de sua existência, digamos assim de forma mais moderna, o pagamento de boletos. Assim eram os hutus que praticaram o extermínio em Ruanda, diz Gourevitch. Tanto eles quanto Eichmann não se achavam culpados pelos crimes que cometeram. Eles só cumpriram ordens.

Como dito no segundo parágrafo, eu realmente via muito TV na minha infância e na minha juventude. Lembro-me de quando os programas de TV do mundo cão começaram a aparecer. O primeiro foi o Aqui Agora, que tentava levar à TV de certa forma a fórmula do jornal Notícias Populares, com muito sangue e alguma manchete absurda. Pode ter havido algum antes, mas para a minha geração a exploração televisiva da violência como produto tem neste programa um marco. A lógica destes programas é manter a população com medo e com ódio. Lá fora é perigoso. Nossas crianças não podem mais sair às ruas, não sabemos se elas vão voltar. Criam-se slogans repetidos a exaustão. Nos anos 90 o Brasil era mais perigoso que a Bósnia. Depois ficou mais perigoso que Kosovo. Nos anos 2000 era mais perigoso que o Iraque. Agora é mais perigoso que a Síria. O Brasil tem 200 milhões de habitantes. A Síria tem 3 milhões. Mas isto não deve ser levado em conta. Isto seria pensar e slogans não lidam com pensamentos.

A geração da minha infância foi marcada por dois grandes crimes envolvendo policiais. Em 1992, numa ação coordenada pelo Governo de SP, ao menos 111 presos desarmados foram executados durante uma tentativa de rebelião. Nenhum policial ou autoridade pública foi presa. Um ano depois, um grupo de empresários do centro do Rio de Janeiro contratou policiais que haviam formado um grupo de extermínio para “limparem” a região próxima da Igreja da Candelária, muito habitada por crianças de rua. A existência destas crianças e os pequenos delitos que algumas praticavam prejudicavam os negócios, uma vez que “pessoas de bem” evitavam aquela região. Os policiais fizeram o trabalho e dez crianças foram mortas. Três policiais foram condenados pelo crime, mas estão em liberdade até hoje. Os sobreviventes e as testemunhas oculares do caso tiveram que sair do Brasil com outra identidade.

Cidade Alerta, Datena, Repórter Cidadão, Marcelo Rezende, todos estes programas e apresentadores ficaram famosos. Bandidos matando, policiais reagindo, propaganda da Car System. A lei atrapalha, dizem os apresentadores. Mais cadeia, mais polícia, mais punição, estas são as soluções. Propaganda de algum produto do Sidnei Oliveira.

Em 2007 surgia o Capitão Nascimento. Aquilo que chamo de psicopata incorruptível. Ele quer justiça, ou ao menos a visão tosca que tem de justiça, e para isso vai matar. Matar bastante. Atira na cabeça. Mata dois com a mesma bala. Tortura um pobre coitado para saber onde está o traficante. Tornou-se o herói do momento. Não deixa de ser sintomático aliás que o filme que tem o policial incorruptível como herói tenha feito sucesso graças a cópias piratas que chegaram antes do que a versão original no cinema. Mas o filme não exigia muita autocrítica de ninguém, afinal. Trabalhar na polícia não tem nada a ver com direito, conclui o tenente Matias em seu processo de transformação de ser racional em ser selvagem, concluído com a última cena. O estudante de direito que debatia Foucault agora atira na cabeça para estragar o velório, estando pronto para a “realidade”. É a moral do filme.

Tropa de Elite levou ao cinema a visão de mundo dos programas mundo cão da TV. Numa entrevista em que reclamava de ter tido um relógio roubado, o apresentador Luciano Huck disse à época que o Brasil precisava de um Capitão Nascimento. Na sociedade do consumo, a demanda gera a oferta. Uma sociedade que quer um Capitão Nascimento em algum momento vai acha-lo. Sérgio Moro apareceu.

Prisões preventivas feitas sem que os motivos previstos em lei fossem atendidos. Prisões preventivas utilizadas como instrumento de tortura psicológica para obtenção de delações premiadas. Vazamentos midiáticos de delações de acordo com movimentações políticas momentâneas. A lei descumprida de forma clara e aberta pela pessoa que deveria defendê-la. Não importa, Datena e Capitão Nascimento já haviam aberto o caminho para que isto fosse não apenas aceitável, mas até elogiável.

Após dizimar a classe política, Moro foi trabalhar para o político que mais se beneficiou deste processo. Sua primeira medida, após trinta dias de mandato, foi o projeto anticrime. Um policial, diz o projeto, não precisa mais ter a sua vida ou ver a vida do refém claramente ameaçada para atirar e matar. Não sofrerá mais processo e não terá mais risco de punição. Pode confundir arma com guarda-chuva sem temer represálias. De certa forma é o que a sociedade queria. Witzel foi eleito prometendo que em seu governo o policial miraria na cabecinha do bandido. Isto depois de participar de uma cerimônia que festejava a morte de uma vereadora por policiais milicianos. Doria foi eleito dizendo que em seu governo o policial atiraria para mandar por cemitério.

Arendt e Gourevitch deixam implícito, ao menos na minha leitura, que a tal da maioria não-pensante só volta a pensar quando a tragédia passa a atingí-la. Hitler só se tornou impopular na Alemanha em 1943. Na Globonews, uma bancada de seis jornalistas brancos de classe média estava em festa com o projeto de Moro. No melhor estilo Datena, vamos enfrentar a bandidagem, eles repetiam. Até o momento que um link entrou com um representante da OAB do Rio de Janeiro. Ele dizia que o projeto era um absurdo. O Brasil tinha há 20 anos metade do número de presidiários que possui hoje e era menos violento. Simplesmente pôr gente na cadeia não resolve a violência, pelo contrário, as cadeias são hoje centro de formação de bandidos perigosos. O jovem entra lá por um pequeno furto e sai integrante do Comando Vermelho. Permitir que um policial atire sem motivos claros, disse ele, é um absurdo. Tornará o trabalho mais perigoso inclusive para os policiais. Muitos jovens negros inocentes serão mortos por esta medida. Por fim, o representante da OAB disse que Moro querer colocar em lei a prisão em segunda instância só mostra que hoje ela é inconstitucional e só serve para lotar ainda mais presídios já superlotados. Os seis apresentadores brancos de classe média se despediram do membro da OAB e ficaram cinco segundos em silêncio. Estavam pensando. Propaganda. Depois começaram a falar sobre Venezuela. Parece que a situação está ruim por lá.

Colunista Sputnik Consulting, João Gabriel Oliveira tem 34 anos, é economista formado pela Universidade de São Paulo, escreve sobre política, esportes, religião, cinema, TV e muito mais em seu blog Dois contra o Mundo

https://2contraomundo.blogspot.com/

Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Instagram Social Icon