Posts Em Destaque

Afro-americanos que emigraram para a União Soviética em busca de igualdade.

O sonho de igualdade racial para além da Cortina de Ferro pode parecer contraditório para os americanos de hoje, mas para os afro-americanos que fugiram da violência e do ódio de suas terras na década de 1920 e além, a emigração dos EUA para a União Soviética marcou o caminho para a liberdade e o respeito que por tanto tempo lhes foi negado.


James Patterson no filme "Circo"


O país dos sovietes era uma terra de acolhimento para aqueles que nos Estados Unidos eram considerados cidadãos de segunda classe, escreve Joy Gleason Carew em seu livro "Pretos, vermelhos, e os russos: Jornadas em busca da promessa Soviética", a maioria dos afro-americanos que migraram para a União Soviética durante os anos 20 e 30 não embarcaram nessa jornada como se fosse uma "missão messiânica". Aqueles que viajaram em busca de treinamento político esperavam organizar comunidades de pessoas negras em seu país, segundo Carew. Aqueles que assinaram contratos para projetos industriais ou artísticos ficaram felizes em encontrar trabalho depois de passar pela Grande Depressão em seu país, onde também eram vítimas das leis racistas de Jim Crow. Um deles foi o ator Wayland Rudd (1900-1952), que iniciou sua carreira artística no Hedgerow Theatre, na Pensilvânia. Ele começou a se tornar famoso por seu papel na peça The Emperor Jones, de Eugene O'Neill. Vendo sua carreira limitada pelo racismo na indústria de entretenimento americana, Rudd mudou-se para a União Soviética em 1931 para continuar trabalhando no palco e na tela grande. Mais tarde, ele se formou no Instituto de Artes Teatrais em Moscou e trabalhou no Teatro de Ópera e Teatro Stanislavsky. Embora muitos outros tenham seguido o exemplo de Rudd, ele se tornou o rosto do mecanismo ideológico soviético em sua promoção da justiça racial na União Soviética e em suas críticas às injustiças cometidas contra as minorias étnicas no chamado Ocidente "livre". A diretora de cinema nascida na União Soviética, com residência nos Estados Unidos, Yelena Demikovski está produzindo um documentário intitulado "Os Russos Negros: A Experiência Vermelha", que lida com esse padrão migratório incomum. Em seu filme, Demikovski entrevista os descendentes de migrantes americanos, incluindo o filho de Rudd, Wayland Rudd Jr., um músico profissional que vive em Moscou, e a colaboradora russa de televisão Yelena Khanga, neta de um coletor de Algodão do Mississippi e uma mulher judia-polonesa-americana que se mudou para o Uzbequistão soviético. Como muitos russos, Demikovski cresceu com o filme soviético "O circo", de 1936, no qual uma jovem estrela de circo americana (Liubov Orlova) que atua na Rússia, inicialmente esconde seu filho do povo russo, com medo de que a condenem porque o pai da criança é negro. "A principal mensagem do filme é que na União Soviética ninguém se importa com raça", diz Demikovski à RBTH. - "Isso implica implicitamente a mensagem: 'Nós amamos todos igualmente'". A partir da publicação deste filme, gerações de russos se apaixonaram por essa misteriosa criança negra que no final do filme é amplamente aceita. Por muitos anos, poucas pessoas sabiam que o ator, James Patterson, era na verdade filho de um americano negro que se mudara para a União Soviética e se casara com uma russa. Demikovski descobriu a história de Patterson nos anos 90, depois de ler o livro de Allison Blakely "Russia e os negros". Ela ficou surpresa ao descobrir que muitos profissionais afro-americanos haviam viajado para a União Soviética, um novo país em que todos eram proclamados como "iguais". "Eu comecei a perguntar aos meus amigos, americanos e russos, se eles já ouviram falar dessa onda de imigrantes afro-americanos", diz Demikovski. - "Ninguém tinha a menor ideia. Todo este capítulo da história dos Estados Unidos e da União Soviética parecia completamente desconhecido". É difícil descobrir o número de pessoas que deixaram os Estados Unidos para viajar para a União Soviética, segundo Carew. "Fontes indicam que várias centenas de negros viajaram em épocas diferentes e permaneceram no país por diferentes períodos de tempo ... Além disso, alguns deles fizeram mais de uma viagem; outros nunca voltaram para os Estados Unidos ", escreve Carew. Mas as histórias deles devem vir à luz.



Black Russians: The Red Experience, trailer


Este filme é urgentemente necessário hoje, pois fala de pessoas que não tinham medo de nada quando se tratava de perseguir seus sonhos e lutar por sua dignidade e liberdade ", declara Demikovski. O documentário está pronto para começar a fase de pós-produção, mas os estúdios, da Red Pallet Pictures, ainda estão arrecadando fundos. A Rússia pós-soviética e os Estados Unidos ainda compartilham o vínculo criado pelas histórias de Rudd, Patterson e seus contemporâneos, que tomaram uma decisão corajosa e controversa, mudando-se para um lugar desconhecido e estrangeiro para criar arte. Essa reviravolta incomum da história ainda contribui para a criação de novas relações, segundo Demikovski. A diretora conseguiu se encontrar com James Patterson, que hoje tem 80 anos e mora nos Estados Unidos, durante as filmagens de The Black Russians: The Red Experience. "Sim, quando eu era pequena e estava apaixonada pela criança do circo, saberia que um dia me tornaria sua amiga ...", diz Demikovski.


Originalmente publicado por Russia Beyond em espanhol em es.rbth.com


Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Instagram Social Icon