Posts Em Destaque

A última partida de um país que já não existia


Uma declaração atrapalhada do porta-voz do Partido Comunista da Alemanha Oriental no final da tarde de 9 de novembro de 1989 resultaria, na noite daquele mesmo dia, na queda do Muro de Berlim. Ninguém estava muito preparado para o que ocorreria a partir daquilo. Isto inclui a Federação Austríaca de Futebol e a prefeitura de Viena. Na semana seguinte após a queda do muro, estava marcada a partida entre Áustria e Alemanha Oriental, que definiria quem ficaria com uma vaga para a Copa do Mundo de 1990. Mais de 50 mil alemães orientais aproveitaram a fronteira recém-aberta e foram para Viena assistir a partida, tornando basicamente a equipe uma local estando fora de casa. A Alemanha Oriental perdeu o jogo e ficou fora do Mundial.

A desclassificação alemã oriental acabaria sendo muito importante para o futuro da sociedade alemã. A partir do começo de 1990, começou a crescer nos dois países a ideia de reunificação das Alemanhas, projeto que foi logo incorporado pelo governo alemão ocidental. A campanha e o posterior título da Alemanha Ocidental na Copa da Itália foi parte fundamental do processo de criação de uma unidade entre duas sociedades tão distintas durante aquele ano. Isto certamente não teria acontecido se os alemães orientais tivessem a sua seleção na mesma competição.

Com o apoio americano e aproveitando o sentimento criado pelo futebol, os governos alemães decidiram marcar um plebiscito nas duas nações para votar a reunificação. Para convencer o governo soviético, o governo alemão ocidental deu basicamente uma montanha de dinheiro para a URSS e assinou um documento se comprometendo a manter os monumentos em homenagem aos soldados soviéticos mortos na Segunda Guerra que até hoje existem em território alemão. França e Inglaterra eram contrárias à reunificação, mas EUA e URSS deixaram bem claro que seriam eles que decidiriam. Marcou-se o plebiscito para o início de setembro e a proposta de unificação venceu com mais de 80% dos votos.

Após isto, seria necessário escolher uma data em que a reunificação oficial ocorreria e a escolha foi a mais pragmática possível. Optou-se por 3 de outubro, basicamente porque o primeiro final de semana deste mês costuma ser o último antes da chegada do inverno e o governo alemão desejava que a data fosse o grande dia de celebração nacional nos anos posteriores, com festa nas ruas. Era muito importante que o 3 de outubro fosse gigantesco e superasse o 9 de novembro como data oficial da reunificação. O dia 9 de novembro coincide com o aniversário da Noites dos Cristais em 1938 na Alemanha nazista, e existia o temor no governo alemão de que a transformação deste dia em feriado facilitasse a existência de manifestações da extrema-direita celebrando o triste evento.

A Alemanha Oriental, assim, passou o mês de setembro de 1990 como “país-fantasma”, com data marcada para deixar de existir. No final deste mês, a seleção de futebol deste país perto de ser extinto tinha um amistoso marcado contra a Bélgica em Bruxelas. Contrariando a opinião pública dos dois países, Bélgica e Alemanha Oriental decidiram manter o amistoso. Difícil, porém, foi encontrar jogadores na quase extinta Rep. Democrática Alemã que se dispusessem a participar deste evento. Após inúmeras convocações e recusas, a Alemanha Oriental conseguiu arranjar doze jogadores que toparam jogar, sendo que nenhum deles era goleiro. Um meio-campo foi improvisado na posição. Um destes jogadores era Matthias Sammer. Principal nome da seleção alemã oriental à época, Sammer seria o grande nome do primeiro título da Alemanha unificada na Eurocopa de 1996 e último alemão a ganhar a Bola de Ouro, no mesmo ano.

Num dia frio e chuvoso, a seleção da Alemanha Oriental entrava com apenas um jogador reserva e sem técnico num estádio vazio belga para fazer sua última partida. A Bélgica massacraria a seleção alemã oriental durante todo o primeiro tempo, mas por aqueles motivos que apenas o futebol explica, não conseguiu fazer o gol graças à atuação do meio-campo improvisado no gol. E, para surpresa geral de todos, no começo do primeiro tempo Sammer abriu o placar para o país em extinção. O gol de Sammer gerou um enorme interesse na partida dentro da Alemanha Oriental, algo do tipo “não acredito nisso” e calcula-se que a quantidade de TVs que ligaram na partida multiplicou-se por sete nos cinco minutos seguintes ao gol. Aguentando a pressão, a Alemanha Oriental faria 2x0 no final do jogo, com o mesmo Sammer. O final desta partida resultou em lágrimas e numa comoção espontânea nas ruas da Alemanha Oriental. Muitos consideram que esta partida deu início ao movimento que chamam de “ostalgie”, uma certa nostalgia que alemães orientais têm de seu antigo país. Uma multidão receberia os doze jogadores após a partida.

A reunificação alemã foi de certa forma cruel com o futebol alemão oriental. Os clubes do antigo país, outrora competitivos nas competições europeias, foram destruídos pela incapacidade de competir com os milionários times do antigo vizinho do Ocidente. A partida citada acima transformou Sammer no maior ídolo esportivo na região que era a Alemanha Oriental. Isto até hoje. Para se ter uma ideia, a contratação de Sammer pelo Borussia Dortmund em 1991 transformou o Borussia em time de maior torcida naquela região, situação que permanece inalterada atualmente. Durante os anos 2010, o Bayern de Munique inclusive contratou Sammer para o cargo de diretor técnico, com o objetivo de conquistar o mercado alemão oriental. Não deu certo. O futebol naquela região passa hoje por um suspiro graças ao investimento financeiro que a Red Bull faz no clube da cidade de Leipzig, mas ainda muito longe de conseguir enfrentar os poderosos clubes do Ocidente.

A Alemanha possui quatro Copas do Mundo, sendo duas muito simbólicas para eles, 1954 e 1990. Ganhou três Eurocopas. Participou de algumas das partidas mais marcantes da história. Final de 1966 contra a Inglaterra, semifinal de 1970 contra a Itália, semifinal de 1982 contra a França, 7x1 no Brasil em 2014. Para quase metade do país, porém, o jogo mais marcante segue sendo um amistoso insignificante disputado num estádio vazio na Bélgica em 1990. Um dia em que doze jogadores jogaram com dignidade por um país que praticamente não existia. Apenas pela honra e por respeito ao passado.

______________

Colunista Sputnik Consulting, João Gabriel Oliveira tem 34 anos, é economista formado pela Universidade de São Paulo, escreve sobre política, esportes, religião, cinema, TV e tantos outros assuntos em seu blog >> 2contraomundo.blogspot.com/

Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Instagram Social Icon