Posts Em Destaque

Consequências socioeconômicas da pandemia do Coronavírus

Estabilidade e segurança nos hemisférios ocidental e oriental: visões da Rússia e da Argentina.

Nikolai Silaev, Andrey Sushentsov © Valdai Discussion Club

No contexto da digitalização e transformação da ordem mundial e levando em conta a engenhosidade de seus povos, Argentina e Rússia têm a oportunidade de assumir posições mais significativas no novo “mundo pós-Covid”, fortalecendo significativamente seu lugar na economia e política mundiais, escreve Andrzej Habarta, Pesquisador Sênior do MGIMO e Editor-Chefe do Jornal “Cuadernos Iberoamericanos”. A publicação deste artigo dá continuidade à colaboração online entre o Valdai Club como parte de seu projeto Think Tank e o Conselho Argentino de Relações Internacionais (CARI).


A atual crise global de saúde causada pela pandemia do coronavírus já causou uma crise econômica, tornando-se um desafio não apenas para as economias nacionais individuais, mas para toda a economia mundial.


No momento, a questão de como será o mundo pós-Covid está se tornando cada vez mais urgente. O processo de transformação da economia mundial começou há muito tempo, e a pandemia do coronavírus está atuando apenas como um catalisador para mudanças. O processo de transformação do sistema econômico mundial começou há muito tempo, mas por muito tempo permaneceu invisível para a maioria dos cidadãos comuns de nosso planeta. A pandemia exacerbou os problemas socioeconômicos existentes nos países desenvolvidos.


Em 2013, foi publicado o livro de Thomas Piketty, O Capital no Século XXI, no qual o autor argumentava que a sociedade de bem-estar que havia surgido em vários países desenvolvidos está se tornando uma questão do passado. Uma das consequências da globalização passou a ser o aumento do hiato no nível de renda da população e, como consequência, o aumento da estratificação da sociedade, que se dividiu cada vez mais claramente em dois grupos: a “classe média moderna ”, que ainda recebe salários dignos e é beneficiária dos processos de globalização, e um grupo cada vez mais pobre e socialmente desfavorecido - a classe trabalhadora, vítima de um mercado de trabalho mais flexível e globalizado. Nesse contexto, podemos falar sobre a divisão da sociedade moderna em beneficiários e vítimas da globalização.



Uma das consequências da pandemia foi a aceleração da transformação da arquitetura econômica global.

O Ocidente está tentando coletivamente manter sua posição de liderança na economia mundial usando vários métodos. Os Estados Unidos, que foram os autores e promotores do arranjo liberal do mundo, durante a presidência de Donald Trump começaram a recorrer cada vez mais economicamente a métodos protecionistas agressivos e chantagens para manter sua posição dominante e promover seus interesses nacionais.

A estratégia dos países da Europa Ocidental é mais cautelosa, mas eles também estão fazendo tentativas cada vez mais visíveis de fortalecer suas posições. Se os esforços da França se reduzem a restaurar sua autoridade e influência política e econômica no mundo de língua francesa da África, então as ações da Alemanha são mais pragmáticas. A Alemanha está tentando consolidar sua posição como líder dentro de uma Europa unida, como evidenciado pelo desenvolvimento de programas financeiros para a prestação de assistência econômica e financeira sob a liderança da Alemanha dentro da UE.


Podemos dizer com segurança que a assistência da UE durante a pandemia é, em primeiro lugar, para proteger os interesses econômicos das corporações transnacionais, incluindo as da Alemanha. Os países europeus mais afetados pela pandemia são parte integrante das cadeias de valor das empresas multinacionais alemãs. Portanto, a Alemanha não pode se dar ao luxo de negligenciar essa cadeia de valor e vê o resgate das economias europeias atingidas pela pandemia do coronavírus como uma questão de sua própria segurança econômica.


Muitos especialistas estão se perguntando se o coronavírus anuncia o fim da era da globalização. É muito difícil responder a essa pergunta de maneira inequívoca; a maioria dos analistas concorda que a globalização provavelmente continuará, mas em novas formas. Instituições e mecanismos econômicos antigos e ineficazes se tornarão uma coisa do passado, abrindo espaço para novas práticas. Em particular, o desaparecimento de antigos setores da economia acelerará a formação de novos em seu lugar, que surgiram devido ao processo de digitalização. A incorporação de novos avanços e desenvolvimentos tecnológicos na economia, via de regra, sempre teve um impacto enorme nas relações sociais, muitas vezes negativo. A reformatação do setor de serviços já começou imperceptivelmente a liberalizar as relações de trabalho. Se antes, esse processo levou a protestos sociais (pode-se lembrar os motins do colete amarelo na França em 2018-2019), então nas novas condições “pós-Covid”, esse processo só vai se acelerar. Portanto, atenção especial deve ser dada à adaptação da sociedade às novas realidades econômicas.


O processo de reformatar o mundo já foi lançado e todos os países, independentemente de sua vontade, são atraídos para esse processo, incluindo Argentina e Rússia. Em 2020, devido à pandemia, os modelos socioeconômicos da Rússia e da Argentina foram testados quanto à sobrevivência, especialmente quanto à estabilidade e segurança. Esses estados têm muito em comum. Nos últimos 30 anos, os dois países buscaram um modelo de desenvolvimento sustentável que lhes proporcionasse estabilidade e segurança no verdadeiro sentido da palavra. Apesar de todas as dificuldades que a Rússia e a Argentina enfrentam hoje, apresentam um potencial significativo e vantagens competitivas que permitem a esses países olhar para o futuro com esperança real. Estamos falando sobre o potencial humano desenvolvido nesses países. A ONU classifica os dois estados como países com índice de desenvolvimento humano (IDH) muito alto, que em 2019 para a Argentina era de 0,83 (48º lugar no mundo), para a Rússia 0,824 (49º).


No contexto da digitalização e transformação da ordem mundial, quando o papel dos recursos humanos e do conhecimento assume um papel cada vez mais importante, e levando em conta a engenhosidade dos povos dos países mencionados, Argentina e Rússia têm a oportunidade de aproveitar mais posições significativas no novo “mundo pós-Covid”, fortalecendo significativamente seu lugar na economia e na política mundiais.



Em 17 de novembro de 2020, o Clube de Discussão Valdai e o Conselho Argentino de Relações Exteriores (CARI) realizaram uma discussão conjunta intitulada “Estabilidade e segurança nos hemisférios ocidental e oriental: pontos de vista da Rússia e da Argentina”. Andrzej Habarta, Pesquisador Sênior do MGIMO, Editor-Chefe da Revista “Cuadernos Iberoamericanos”; Ricardo Ernesto Lagorio, Embaixador Extraordinário e Plenipotenciário da República Argentina junto à Federação Russa (2017–2020), Membro Assessor do Conselho Argentino de Relações Exteriores (CARI); Nikolai Silaev, Pesquisador Sênior, Centro de Estudos do Cáucaso, MGIMO University; Lila Roldán Vázquez, Diretora do Contemporary Eurasian Affairs Group, Membro Consultivo, CARI; Sebastian Villero, Consultor do CARI, Docente da Universidade de Buenos Aires e do Centro de Estudos Macroeconômicos da Argentina (UCEMA) participou da discussão. O evento foi moderado por Andrey Sushentsov, Diretor de Programa do Valdai Club.


Mais em:

https://valdaiclub.com/a/highlights/socio-economic-consequences-of-the-coronavirus-pandemic/

Posts Recentes