Posts Em Destaque

Cooperação militar entre Turquia e Ucrânia em meio à escalada no Donbass.


Um novo ator externo interveio ativamente no conflito em Donbass. Trata-se da Turquia, onde o presidente ucraniano Volodymyr Zelensky esteve no sábado. Durante a visita, eles discutiram principalmente contratos militares, que Ancara chamou de força motriz das relações. O presidente turco Recep Tayyip Erdogan afirma ser a favor de uma solução pacífica para o conflito e está pronto para contribuir para isso, mas parece que Moscou não acredita realmente nele.

A visita de sábado de Vladimir Zelensky a Istambul, programada para coincidir com uma reunião do Conselho Estratégico de Alto Nível, pode ser considerada extremamente bem-sucedida para ele. O presidente ucraniano conseguiu obter o apoio de Ancara em quase todas as questões importantes para ele - desde os planos de criar uma zona de livre comércio até a "Plataforma da Crimeia" - uma nova plataforma internacional que visa devolver a península à Ucrânia. Mas ainda não está totalmente claro como funcionará exatamente - a primeira cúpula no âmbito dessa iniciativa está marcada apenas para 24 de agosto, quando o país comemora o Dia da Independência.

“Defendemos a integridade territorial e a soberania da Ucrânia. Confirmamos nossa decisão de princípio de não reconhecer a anexação da Crimeia. Declaramos que apoiamos a iniciativa da Ucrânia na forma da "Plataforma da Crimeia", que visa aproximar a comunidade internacional da Crimeia. Essa declaração tendo como pano de fundo um encontro para fornecimento de material bélico à Ucrânia é praticamente uma declaração de guerra à Rússia, pois esta considera a península seu território.

Esperamos que esta iniciativa traga resultados positivos para todos os povos da Crimeia, incluindo os tártaros da Crimeia e a Ucrânia ”, disse Recep Tayyip Erdogan em uma coletiva de imprensa conjunta, claramente encantando seu convidado.

Outra promessa agradável para Kiev, mas dificilmente realizável no futuro próximo, foi o apoio à entrada da Ucrânia na OTAN. Isso foi afirmado na declaração conjunta dos líderes.

O Donbass também foi discutido - no contexto da crescente tensão na região, isso era quase inevitável. Na véspera da visita, a agência de notícias estatal Anadolu preparou um memorando sobre a história do conflito "em cinco perguntas" para seus leitores. Ele diz que desde 30 de março, de acordo com o Estado-Maior ucraniano, a Rússia, sob o pretexto de exercícios, deslocou 28 batalhões para a fronteira com a Ucrânia.

Em seu discurso, o presidente Erdogan argumentou que esses problemas podem ser resolvidos pacificamente. “Esperamos que essa escalada preocupante termine o mais rápido possível, o cessar-fogo continue e o conflito seja resolvido por meio do diálogo com base nos acordos de Minsk”, disse ele, prometendo “fornecer todo o apoio necessário”.

Vale lembrar que, um dia antes da visita do presidente ucraniano, em 9 de abril, Recep Tayyip Erdogan falou ao telefone com seu homólogo russo Vladimir Putin. De acordo com a assessoria de imprensa do Kremlin, o líder turco pediu para falar sobre "as abordagens russas para resolver a crise interna ucraniana" e ouviu em resposta que "o pacote de medidas" de Minsk de 2015 é a única base para o acordo.

Após a visita de Zelensky, no domingo, o secretário de imprensa do presidente turco, Ibrahim Kalyn, falou sobre o mesmo assunto. "A Turquia apoia a integridade territorial da Ucrânia, defende a proteção dos direitos dos tártaros da Crimeia e a resolução de questões disputadas entre a Rússia e a Ucrânia por meio de negociações", resumiu a posição de Ancara.

Seja como for, eles falaram nas conversações em Ancara não sobre maneiras de alcançar a paz, mas sobre a ajuda da Turquia no reequipamento do exército ucraniano. Ao mesmo tempo, Erdogan observou que a cooperação entre os dois países "na indústria de defesa não é de forma alguma uma iniciativa dirigida contra terceiros países".

O ministro da Defesa ucraniano, Andriy Taran, que voou para Istambul com o presidente, se reuniu com seu homólogo turco Hulusi Akar e discutiu com ele uma série de contratos de defesa importantes. De acordo com o serviço de imprensa do Ministério da Defesa ucraniano, tratava-se de “construir navios da classe corveta, fornecer sistemas aéreos não tripulados Bayraktar e munições, bem como oportunidades para o desenvolvimento de novos projetos, em particular na indústria da aviação."No mesmo dia, o vice-chefe do Comitê de Segurança Nacional, Defesa e Inteligência da Verkhovna Rada (Parlamento) da Ucrânia, Yuriy Mysyagin, escreveu em sua página no Facebook que o drone Bayraktar TB2 fez seu primeiro voo na zona de Operações das Forças Conjuntas em Donbass. Segundo o deputado, isso permitiu encontrar equipamentos russos nas autoproclamadas repúblicas do Donbass: o complexo de mísseis antiaéreos Pantsir-S, os sistemas de mísseis antiaéreos S-125 e Tor, como bem como tanques e obuses. "Durante a operação turca" Spring Shield "(na Síria, no início de 2020 ) "Bayraktars" provou ser o melhor, especialmente contra o equipamento militar russo", acrescentou o Sr. Mysyagin.

Pela primeira vez, o ex-presidente da Ucrânia Petro Poroshenko em 2019 concordou em comprar drones Bayraktar TB2 da Turquia. Após a chegada de Vladimir Zelensky, essa ideia foi ativamente trabalhada, e agora a Turquia planeja estabelecer a produção desses drones na região ucraniana de Nikolaev. Ao mesmo tempo, seu uso bem-sucedido pelo lado do Azerbaijão durante a segunda guerra em Nagorno-Karabakh tornou-se uma campanha publicitária eficaz para os fabricantes turcos, o que aumentou a demanda por seus produtos não apenas na Ucrânia, mas também em outros países.

Outro ponto da cooperação entre a Ucrânia e a Turquia, segundo a agência Anadolu, pode ser a produção conjunta do avião de transporte An-178, um dos últimos desenvolvimentos da aviação ucraniana.

Jornais turcos que cobriram a visita destacaram a declaração aparentemente nada notável de Recep Tayyip Erdogan de que "o Mar Negro deve permanecer um mar de paz, tranquilidade e cooperação."

De acordo com Kirill Semyonov, especialista do Conselho de Assuntos Internacionais da Rússia, acontecimentos recentes chamaram a atenção para essas palavras. “Esses são planos para a construção do Canal de Istambul e especulações sobre a Convenção de Montreux e os eventos em torno de Donbass, que, por assim dizer, não estão diretamente relacionados, mas todos se relacionam com questões de segurança na bacia do Mar Negro e Estados adjacentes ”, disse ele ao jornal russo Kommersant.


Os chefes da França, Alemanha e Ucrânia Emmanuel Macron, Angela Merkel e Volodymyr Zelensky podem conversar sobre a situação em Donbass dentro de uma seman

Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Instagram Social Icon