Posts Em Destaque

Justus, a falsa grávida e a geração do julgamento



Roberto Justus, em "O aprendiz"


Não sei exatamente em qual temporada do Aprendiz aconteceu esta prova. Eram três mulheres, as três finalistas. Elas tinham ido para Santiago e de repente apareceu o Roberto Justus num helicóptero, usando óculos escuros, acompanhado de uns seguranças. Uma aparição meio divina. Na prova que ele anunciaria a seguir, as três mulheres teriam que arrumar um jeito de voltar de Santiago para São Paulo sem dinheiro. Teriam alguém da produção acompanhando só pra pagar as refeições e a hospedagem. Ganharia quem chegasse primeiro. Não lembro exatamente o que aconteceu com a mulher que terminou em segundo. O que me recordo é da primeira e da terceira. A terceira colocada foi correndo para a rodoviária dizendo simplesmente que queria voltar para o Brasil e que estava sem dinheiro. Implorou e conseguiu convencer o dono da empresa rodoviária a dar-lhe um lugar num ônibus que estava meio vazio. A primeira colocada foi até o aeroporto, inventou que havia sido assaltada, estava grávida e tinha que voltar pro Brasil para ver um parente doente. Conseguiu rapidamente doações que lhe permitiram comprar a passagem de volta. Enquanto ela já estava no Brasil, a terceira colocada cruzava os Andes, maravilhada com a paisagem e sem saber que estava prestes a ser humilhada em rede nacional pelo julgador supremo do programa, Roberto Justus.

Por algum motivo, enxergo neste momento sinais da transformação que acontecia em minha vida. Fazia faculdade de economia naquela época e praticamente toda sala assistia ao programa. No dia seguinte a esta prova, todos, menos eu, estavam tirando sarro da mulher que foi à rodoviária. Eu disse que teria feito a mesma coisa. Acho mais legal viajar de ônibus e a experiência que a terceira colocada deve ter tido foi mais engrandecedora do que a da primeira colocada. Também disse que eu provavelmente teria ficado mais tempo por lá e que nem sempre o caminho mais rápido para as coisas é o mais legal. Vencer é ter a experiência mais enriquecedora. Isto sem contar no fato de que a primeira colocado havia claramente enganado os outros, mas não há espaço para este tipo de reflexão no “mundo dos espertos”. Meus colegas perguntaram se eu estava fumando maconha.

Realities shows criam uma identificação entre o público e o opressor. Talvez não criam, mas explicitam a forma como este laço existe. Na faculdade, éramos jovens de classe média que se humilhavam em dinâmicas de grupo ridículas assistindo a um programa em que jovens de classe média se humilhavam numa grande dinâmica de grupo filmada para tentar um emprego. A bizarrice era que não nos identificávamos com as pessoas que passavam pela mesma situação que nós, mas sim com aquela que as humilhava e as julgava, no caso Justus. Comentávamos os erros dos participantes com a mesma empáfia do empresário. Assim age a inversão de valores. A reação que meus colegas tinham sobre a mulher que pegou o ônibus para vir de Santiago foi a mesma que Justus apresentou na reunião.

A grande sacada de Realities shows é que de certa forma eles transformam o público em “Deus”. Somos onipresentes, oniscientes e, em alguns, onipotentes. É assim no Big Brother, em que vemos, julgamos e punimos quase como no Velho Testamento. Num Reality como O Aprendiz, falta-nos a onipotência, exercida pelo apresentador. Há uma correlação entre este programa e o desenvolvimento da ideia do empreendedor como o salvador da modernidade, a figura dotada da máxima admiração. Não é à toa que o cargo mais importante do mundo hoje é ocupado pelo apresentador da versão americana do programa, Donald Trump. Ele é o cara que na TV valorizava o bem-feito, punia o mau-feito e julgava pela população. O “Deus” dos telespectadores. Na época em que eu assistia, Roberto Justus apareceu numa pesquisa como a pessoa mais admirada entre jovens brasileiros.

Tenho a impressão que ninguém sabe ao certo o que Justus faz. Sei que o pai dele foi o empreiteiro que construiu Brasília. Tudo nele me parece meio falso. É uma pessoa que se transformou num produto. Sei que ele ficou famoso namorando mulheres famosas e que tem uma das profissões mais inúteis do planeta, publicitário. A parte mais curiosa dos publicitários é que eles realmente acreditam nas mentiras que contam. Eles realmente não sabem que não servem para nada. Lembro-me de debater um dia com um, sem utilizar estes termos, claro, mas ele me perguntou o que seria do mundo sem os publicitários. Eu disse que seria ou a mesma coisa, ou melhor. Ele disse que eu não tinha entendido nada. Sigo sem entender.

A minha ficha sobre o meu papel no mundo como público deste tipo de porcarias veio na edição seguinte. Lá estava eu fascinado novamente com o super empresário humilhando jovens de terno e gravata sonhando com um emprego. A equipe vencedora teve como prêmio pela vitória na prova uma viagem de navio em que teriam que assistir a um show de Roberto Justus. Poucas coisas no mundo são piores do que Justus cantando. Lá estavam os jovens na beira do palco ouvindo Justus cantar I’ve got you under my skin se esforçando ao extremo para fazer caras de que estavam adorando. Um dos rapazes merecia inclusive um Emmy pela atuação neste episódio. Ele deveria abandonar o papo furado de empreendedorismo e partir pra vida artística. Exatamente no dia seguinte meu chefe me chamou para conversar. Ele havia viajado no final de semana e havia comprado um jet ski. Não há, na minha opinião, nada mais imbecil no mundo do que jet ski na praia. Nada. Talvez golfe, mas no golfe não há risco de contusão de inocentes. Mas acho uma babaquice pegar um terreno gigantesco e colocar pequenos buracos no chão para ricos tentarem colocar uma bolinha como entretenimento. Se eu virasse presidente, meu primeiro ato seria a desapropriação de todos os campos de golpe e a transformação deles em terrenos para moradia popular. Mas não ganharia com esta proposta. Afinal, ganhou o cara que como primeira medida facilitou a posse de armas. Mas voltando ao jet ski, eu passei uns longos 10 minutos ouvindo meu chefe se vangloriar pelo assunto que acho o mais babaca do mundo, jet ski. Quando saí da reunião pensei, bom, eu sou um dos jovens sorrindo ouvindo o Roberto Justus cantar.

Quase duas décadas depois dos realities shows, de certa forma nossas vidas se transformaram em um. Estamos sempre julgando e sendo julgados. Acho que não passo dois ou três dias seguidos sem avaliar alguém. Pode ser com uma nota de 0 a 10 ou com carinhas. Como foi sua experiência? Como foi sua compra? Julgar enche o saco e nos impede de pensar. Respondemos “como foi sua viagem?” sem ter ideia de como é a vida do motorista. Julgar menos e pensar mais é o caminho. Ou deveria ser,  mas de certa forma Justus nos doutrinou. Os jovens metidos a empreendedores da década passada são os adultos de hoje. E eles estão fazendo muita merda. A mulher que simulou a gravidez para enganar os que passavam no aeroporto já era um prenúncio do que viveríamos uma década depois. Não tinha como uma geração formada por admiradores do Roberto Justus dar certo, afinal.


* Este texto não reflete necessariamente a opinião de Sputnik Consulting


S O B R E O A U T O R


O COLUNISTA SPUTNIK JOÃO GABRIEL OLIVEIRA É ECONOMISTA FORMADO PELA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO, EM SUA  COLUNA ABORDA POLÍTICA, ESPORTES, TV, CINEMA, RELIGIÃO E MUITO MAIS

Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Instagram Social Icon