Posts Em Destaque

Literatura soviética: Nikolai Ostrovsky, morreu jovem para viver para sempre

Biografia

Ostrovsky nasceu na vila de Viliya, então parte do Império Russo, em uma família da classe trabalhadora ucraniana. Ele frequentou uma escola paroquial até os nove anos e era um estudante dedicado. Em 1914, sua família se mudou para a cidade ferroviária de Shepetivka (hoje na região de Khmelnytskyi), onde Ostrovsky começou a trabalhar nas cozinhas da estação ferroviária, tornando-se companheiro do foguista e do eletricista na usina local. Em 1917, aos 13 anos, tornou-se ativista do partido bolchevique. No mesmo período, contraiu espondilite anquilosante, que mais tarde o cegaria e o paralisaria. Segundo a biografia oficial, quando os alemães ocuparam a cidade na primavera de 1918, Ostrovsky virou informante clandestino para os bolchevique local. Em julho de 1918, ele se juntou ao Komsomol e ao Exército Vermelho em agosto. Serviu na brigada de cavalaria de Kotovsky. Em 1920, ele teria sido ferido perto de Lviv e contraído tifo. Ele voltou ao exército apenas para ser ferido novamente e foi desmobilizado por motivos médicos. No entanto, na autobiografia escrita pelo próprio Ostrovsky, ele não menciona que havia servido no Exército Vermelho. Em 1921, ele começou a trabalhar nas oficinas ferroviárias de Kiev como eletricista e como secretário do Komsomol local. Sofrendo de reumatismo e tifo, em agosto de 1922, ele foi enviado a Berdyansk, um resort no mar de Azov, para tratamento. Em outubro de 1922, ele foi oficialmente declarado inválido; no entanto, ele continuou trabalhando. Em 1923, foi nomeado comissário do Segundo Batalhão de Treinamento do Exército Vermelho e secretário de Komsomol para Berezdov, no oeste da Ucrânia. Em janeiro de 1924, ele foi para Izyaslav como chefe do comitê distrital de Komsomol e, em agosto de 1924, ingressou no Partido Comunista. Em 1925, com sua saúde decaindo rapidamente, ele foi a Kharkov para tratamento médico e, em maio de 1926, foi a um sanatório na Crimeia. Em dezembro de 1926, a poliartrite o privou de quase toda a mobilidade e ficou virtualmente acamado. Em dezembro de 1927, Ostrovsky iniciou um curso por correspondência na Universidade Comunista de Sverdlov, em Moscou, que o concluiu em junho de 1929. Em agosto, ele perdeu a visão. Destemido, mesmo com sua imobilidade e cegueira, em 1930, começou a trabalhar em seu primeiro romance, "Assim foi temperado o aço", que se tornou renomado e influente no mundo comunista. Ele também escreveu artigos para jornais e revistas e falou muitas vezes no rádio. Em abril de 1932, tornou-se membro da filial de Moscou da Associação de Escritores Proletários e em junho de 1934 ingressou na União dos Escritores Soviéticos. Em 1 de outubro de 1935, ele foi premiado com a Ordem de Lenin. Depois de sofrer anos de paralisia, doença e cegueira devido a espondilite anquilosante congênita, além de complicações após o tifo, Ostrovsky morreu em 22 de dezembro de 1936, com 32 anos. Sua morte não lhe permitiu concluir seu segundo romance, "Nascido da Tempestade", sobre a Guerra Civil Russa na Ucrânia.




Legado

Seu romance "Assim foi temperado o aço" é considerado uma das obras mais influentes da literatura comunista, um marco da literatura russa do século XX.

O romance Assim foi temperado o aço, de Nikolai Ostróvski se insere na tradição de literatura edificante. Publicado em 1934, tem como característica a recuperação do “herói positivo”. A personagem Pável Kortcháguin, inspirada na vida do próprio autor, caracteriza-se por uma espécie de romantismo revolucionário: dotado de um caráter impulsivo e obstinado. Sai das camadas mais baixas do povo para mais tarde ingressar nas fileiras do exército vermelho. Kortcháguin, à semelhança de Rakhmiétov de “O que fazer?”, abdica dos interesses de ordem pessoal, da vida privada, em prol da causa revolucionária e da consolidação da revolução socialista. Também possui um sentimento de coletividade bastante evidente, sente-se parte integrante da massa e não mais um ser individual contribuindo para a profusão do valor de coletivização, daquilo que é de todos:

Pável perdeu a sensação de individualidade. Todos aqueles dias estavam saturados da embriaguez dos combates cruentos. Pável fundiu-se com a massa e, como cada um dos combatentes, pareceu ter esquecido a palavra “eu”, ficando unicamente “nós”: nosso regimento, nosso esquadrão, nossa brigada.

Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Instagram Social Icon