Posts Em Destaque

Na era pós-pandemia, a cooperação China-Rússia ajudará a quebrar o geodilema da Eurásia


Por Zhang Tingting, para o Valdai Club Discussion


Como o maior país da Eurásia, a Rússia é um corredor econômico que conecta a Europa e a Ásia. Como parceiros com a mais alta confiança mútua, o mais alto nível de cooperação e o mais alto valor estratégico do mundo, a cooperação comercial entre a China e a Rússia levará a Rússia ao fluxo de comércio da Eurásia entre a China, a UE e a ASEAN (Associação de Nações do Sudeste Asiático), injetando forte ímpeto na circulação comercial da Eurásia, escreve Zhang Tingting, Assistente de Pesquisa e Diretor de Projetos do Departamento Internacional do Instituto Chongyang de Estudos Financeiros da Universidade Renmin da China.

Em 28 de dezembro, o presidente da China, Xi Jinping, conversou por telefone com o presidente da Rússia, Putin. Os dois chefes de estado trocaram saudações de Ano Novo. Xi Jinping destacou: “As relações China-Rússia têm um forte poder endógeno e valor independente, que não são afetados por mudanças na situação internacional e não sofrem interferência de quaisquer outros fatores.“ Na verdade, o poder endógeno das relações China-Rússia decorre das ameaças externas comuns enfrentadas pelos dois países, bem como da natureza complementar de seu desenvolvimento interno.


A cooperação comercial sino-russa, conectando o fluxo de comércio na Eurásia


Com base na atual situação internacional, a circulação do comércio global tem mudado discretamente enquanto as potências políticas internacionais jogam seu jogo. A manifestação mais direta disso é que a “cadeia de suprimentos” e a “cadeia de compras” na cadeia industrial internacional estão passando por uma nova rodada de “desacoplamento” e “reorganização”; a estrutura do comércio mundial também está passando por mudanças substanciais.

Como o segundo maior mercado consumidor do mundo, economia e "fábrica do mundo", a China é o "motor" da circulação do comércio global, impulsionando os ciclos da "cadeia de suprimentos" e da "cadeia de compras" do comércio global. A guerra comercial contra a China iniciada pelos EUA intensificou a dissociação do mercado entre a China e os EUA e empurrou o centro da circulação do comércio mundial de volta para a Eurásia.

De acordo com os dados divulgados pela Administração Geral das Alfândegas da China em 4 de janeiro de 2020, em 2019, o maior parceiro comercial da China ainda era a UE, com importações e exportações para a UE de 4,86 ​​trilhões de yuans, um aumento de 8%. A ASEAN se tornou o segundo maior parceiro comercial da China, com importações e exportações para a China em 4,43 trilhões de yuans, um aumento de 14,1%. Ao mesmo tempo, as importações e exportações da China para os Estados Unidos foram de 3,73 trilhões de yuans, uma queda de 10,7%.

Além disso, de acordo com os dados divulgados pela Administração Geral das Alfândegas da China em 14 de julho, no primeiro semestre de 2020, a ASEAN tornou-se o maior parceiro comercial da China, respondendo por 14,7% do comércio total da China, e a UE tornou-se o segundo maior parceiro comercial.

Obviamente, quer tenha sido afetada pela guerra comercial contra a China ou pela epidemia, a ASEAN e a UE rapidamente substituíram os EUA no comércio externo da China como as duas principais economias da Eurásia, durante o "desacoplamento" entre os EUA e a China.

Como o maior país da Eurásia, a Rússia é um corredor econômico que conecta a Europa e a Ásia. Como parceiros com a mais alta confiança mútua, o mais alto nível de cooperação e o mais alto valor estratégico do mundo, a cooperação comercial entre a China e a Rússia levará a Rússia ao fluxo de comércio da Eurásia entre a China, a UE e a ASEAN, injetando forte ímpeto na circulação comercial da Eurásia.


A cooperação estratégica sino-russa é um fator estabilizador para a governança regional na Eurásia


Antes da eclosão da epidemia, o mundo havia passado por mudanças globais não vistas em um século. A nova rodada de revoluções tecnológicas e industriais intensificou ainda mais o reajuste da ordem mundial. No início de 2020, a nova epidemia que varreu o mundo agravou ainda mais a mudança global.

Atualmente, a estrutura política mundial e a estrutura do comércio mundial estão em um estado de desenvolvimento conjunto. A estrutura política também está passando por mudanças e reorganizações.

Para a China e a Rússia, como duas grandes potências políticas, as mudanças no cenário político mundial podem muitas vezes ser transmitidas para o nível doméstico, desencadeando mudanças domésticas, e a tendência de “internacionalização” das questões domésticas e “domesticização” das questões internacionais está se tornando mais e mais óbvia.

Nos últimos anos, a China e a Rússia participaram ativamente da governança regional da região da Eurásia. Especificamente, a China e a Rússia têm desempenhado um papel importante na prevenção e controle de riscos e na liderança da cooperação na região da Eurásia. Por exemplo, eles desempenharam com sucesso o papel de mediadores em pontos críticos da Eurásia, como a questão nuclear iraniana, a questão nuclear norte-coreana e o conflito entre a Índia e o Paquistão.

Ao contrário dos EUA, com seu crescente isolacionismo, a China e a Rússia trazem novas oportunidades de desenvolvimento para a região da Eurásia, salvaguardam o tema da paz e do desenvolvimento e defendem a paz e o desenvolvimento na região da Eurásia por meio da conexão da construção do Cinturão Econômico da Rota da Seda e a União Econômica da Eurásia.


A cooperação estratégica sino-russa promove a Eurásia para líder das tendências de desenvolvimento do mundo


Com o desenvolvimento contínuo da TI e da globalização, o mundo está enfrentando uma nova etapa da revolução industrial. A inteligência artificial, a digitalização, a bioengenharia e a Internet irão injetar um forte impulso no futuro desenvolvimento social e econômico.

No âmbito do Cinturão Econômico da Rota da Seda e da União Econômica da Eurásia, a China e a Rússia estão realizando uma série de medidas cooperativas na construção de infraestrutura, investimento financeiro e facilitação do comércio, que trazem novas oportunidades para os países da Eurásia “preencher as lacunas” no desenvolvimento dos estágios anteriores da revolução industrial e buscar a próxima revolução industrial.

Por exemplo, a cooperação russo-chinesa na área de 5G facilitará uma revolução tecnológica na região da Eurásia. A cooperação estratégica entre a Rússia e a China levará a Eurásia a se manter a par da revolução tecnológica e na vanguarda das tendências de desenvolvimento global.


O foco sino-Russo em quebrar o geodilema


De uma perspectiva estratégica, a conexão da construção do Cinturão Econômico da Rota da Seda à União Econômica Euro-asiática é uma forma importante para a China e a Rússia promoverem conjuntamente o desenvolvimento da integração euro-asiática. Em 8 de maio de 2015, os dois chefes de estado emitiram “a Declaração Conjunta sobre a Cooperação para a Conexão entre o Cinturão Econômico da Rota da Seda e a União Econômica da Eurásia” em Moscou. Os dois países começaram a explorar mais oportunidades de cooperação no âmbito da conexão. Nos últimos anos, a conexão das duas iniciativas produziu resultados frutíferos, e a China é o maior parceiro comercial da União Econômica Euro-asiática. No futuro, a articulação das duas iniciativas terá um papel importante no enfrentamento das mudanças políticas, econômicas e de ordem de segurança provocadas pelas mudanças geopolíticas, como um “estabilizador” regional.

Do ponto de vista tático, o apoio mútuo é uma forma importante para a China e a Rússia enfrentarem as mudanças geopolíticas e criarem oportunidades de desenvolvimento. Tanto a China-Europa Railway Express quanto as rotas do Ártico que conectam a China e a Europa exigem trânsito pela Rússia. Para a China, a cooperação com a Rússia trará custos de trânsito a serem pago à Rússia e economia de tempo para o transporte de mercadorias chinesas. O fortalecimento da cooperação com a Rússia em gás natural também promoveu o desenvolvimento verde e a urbanização da China.

Para a Rússia, é uma oportunidade de acompanhar a última revolução tecnológica e industrial, trazida pelo 5G, e promover oportunidades de desenvolvimento promissoras em casa. Os produtos mecânicos e eletrônicos da China, bem como sua indústria de manufatura de alta tecnologia, podem trazer vitalidade ao mercado russo. O apoio da opinião pública nas relações entre a China e a Rússia ajudará a aliviar a pressão exercida pela opinião pública por parte da comunidade internacional.

Como o ministro das Relações Exteriores da China, Wang Yi, enfatizou em várias ocasiões, “a cooperação estratégica China-Rússia não tem fim, nem zona proibida e nem limite máximo”. Expressa plenamente a confiança e determinação da China em relação ao desenvolvimento das relações russo-chinesas. Na era pós-pandemia, a China e a Rússia enfrentarão oportunidades de desenvolvimento sem precedentes, bem como uma competição brutal sem precedentes. Os dois países precisam valorizar a vantagem trazida pela confiança política mútua, encontrar seus lugares na circulação comercial da Eurásia e na reorganização da estrutura política mundial por meio da cooperação ganha-ganha e promover o desenvolvimento da Eurásia.



Originalmente publicado em: https://valdaiclub.com/a/highlights/in-the-post-epidemic-era-china-russia-cooperation/

Posts Recentes