Posts Em Destaque

Rússia e Japão em busca de uma empatia estratégica

Em 15 de abril, o Clube de Discussão Valdai e o Instituto de Assuntos Internacionais do Japão (JIIA) realizaram uma discussão online sobre mudanças estratégicas regionais e perspectivas para as relações bilaterais. O encontro, que reuniu os principais especialistas da área foi realizado em regime de portas fechadas.


No ano passado, o governo de Shinzo Abe, que foi primeiro-ministro do Japão por um recorde de oito anos, renunciou. Sob sua supervisão, o Japão intensificou significativamente sua política externa, inclusive em relação à Rússia. Curiosamente, em meio ao crescente confronto entre a Rússia e o Ocidente, o Japão foi um dos poucos países alinhados ao mundo ocidental a manter uma disposição benevolente, ou pelo menos neutra, em relação a Moscou. Como os especialistas japoneses costumam notar, em 2014, Tóquio impôs sanções contra a Rússia (muito limitadas, pode-se dizer, apenas nominais) exclusivamente devido à pressão dos EUA. (Dito isso, mesmo aliados próximos dos EUA como Coréia do Sul e Israel se recusaram a impor quaisquer sanções contra a Rússia, então a solidariedade com sanções não é uma das regras absolutas do jogo na comunidade ocidental).

O novo primeiro-ministro do país, Yoshihide Suga, prometeu continuar a política de seu antecessor, inclusive em relação à Rússia. Talvez não se deva esperar que os líderes dos dois países se reúnam com tanta frequência como sob Abe, mas os princípios da política externa do Japão permaneceram inalterados. Tóquio procura desempenhar um papel mais ativo na Ásia e está pronta para um diálogo com todas as partes. Isso é bem-vindo na Rússia, embora surja a pergunta: quão independente pode ser a posição do Japão nos casos em que seus interesses são contrários de uma forma ou de outra aos dos Estados Unidos?

Uma estreita aliança político-militar com os Estados Unidos é a base mais importante da política externa japonesa. Se durante a Guerra Fria foi justificado pelo confronto com a URSS, nos últimos anos a imagem de um inimigo comum - a China - tornou-se cada vez mais clara. Deve-se notar que, até recentemente, o uso de retórica de confronto não era comum entre autoridades e especialistas japoneses. Em Tóquio, as perspectivas de “conter” a China são avaliadas de forma mais sóbria do que em Washington, e falar de uma “nova guerra fria” não causa entusiasmo. É por isso que a visão japonesa de um Indo-Pacífico Livre e Aberto, proposta e consistentemente defendida por Shinzo Abe, não enfatizava o confronto com a China, ao contrário do americano.

Como a discussão Valdai Club-JIIA demonstrou, os especialistas russos estão totalmente cientes das nuances que caracterizam as diferentes visões do Indo-Pacífico. No entanto, em nível oficial, a atitude da Rússia em relação a esse conceito permanece negativa: para Moscou, não há diferenças entre a versão americana e as estratégias de outros países (e isso não é apenas o Japão, mas também a Índia e os países da ASEAN), pelo menos no espaço público. Isso, por sua vez, causa perplexidade do lado japonês, que constantemente enfatiza que, na visão do Japão, o Indo-Pacífico não é um conceito dirigido contra a China ou qualquer outra potência.

Nesses momentos, as partes precisam, como bem disse um dos participantes da discussão, “empatia estratégica”, para se colocarem no lugar do outro na avaliação de interesses vitais. A Rússia aprendeu com sua interação com o mundo ocidental que, quando se trata de questões estratégicas, a posição dos aliados dos EUA reflete a de hegemonia, apesar da presença de “opiniões divergentes”. A estratégia dos EUA para o Indo-Pacífico, desclassificada nos últimos dias da presidência de Trump, visa claramente a criação de alianças de acordo com padrões conhecidos. Ele aponta diretamente para o desejo de manter uma ordem regional centrada nos Estados Unidos e conter a China. Não há razão para acreditar que o atual governo americano mudará alguma coisa nessa abordagem, exceto a retórica.

Essa mentalidade de bloco, típica dos Estados Unidos, é inaceitável para Moscou. A Rússia se opõe tanto ao confronto bipolar na Ásia quanto ao domínio de uma potência ali, e considera a presença de vários centros de poder poderosos e independentes uma garantia de estabilidade estratégica. Como a discussão mostrou, o lado japonês em princípio apoia a ideia de autonomia estratégica para as potências asiáticas, mas os temores das ambições hegemônicas da China parecem justificar qualquer aumento da dependência dos Estados Unidos na esfera estratégica.

Na verdade, uma ordem regional centrada nos Estados Unidos na Ásia é inaceitável para a China e a Rússia, mas alguns outros países estão prontos, se não para abraçá-la, então considerá-la um mal menor do que uma ordem centrada na China. Se a situação se desenvolver de acordo com o princípio do confronto inter-blocos, onde apenas duas alternativas estão disponíveis, a escolha é óbvia (assim como a da Rússia). A perspectiva de a China se tornar uma hegemonia regional (ou mesmo global), impondo suas próprias regras, é a principal fonte dos temores estratégicos do Japão. Quanto ao fortalecimento da China às custas da Rússia, isso poderia ser considerado um pesadelo estratégico para Tóquio. Especialistas russos deixaram claro que Moscou não está absolutamente interessada em tal cenário: para o Kremlin, o surgimento de uma ordem mundial bipolar é desvantajoso porque a Rússia corre o risco de se tornar dependente de um parceiro mais forte. Como um dos participantes enfatizou, isso não é aceitável para a liderança da Rússia, nem para seu povo.

Ao mesmo tempo, uma maior reaproximação entre a Rússia e a China em questões estratégicas será inevitável se o antagonismo na região se intensificar. Em última análise, nos documentos doutrinários americanos, a China e a Rússia são cada vez mais chamadas de “desafio autoritário à ordem internacional liberal”. Qualquer medida de contenção usada contra a China também pode acabar sendo aplicada contra a Rússia.

No contexto da discussão sobre problemas estratégicos, as questões das relações bilaterais são um tanto obscurecidas. Isso geralmente tem caracterizado as discussões russo-japonesas nos últimos anos. Há uma vantagem: um diálogo pleno sobre todo o espectro das questões regionais parece mais promissor do que falar sobre a “questão territorial” (que, segundo Moscou, não existe) e o tratado de paz (a ausência do qual não impede que as partes interajam na arena internacional).

Claro, isso não nega o fato de que a conclusão do tratado de paz é uma meta pela qual ambos os lados devem se esforçar. No entanto, isso só pode acontecer em um ambiente de confiança que, como afirmaram especialistas russos e japoneses, as duas partes não têm. E aqui novamente podemos nos referir à experiência da Rússia com a China. As relações de Moscou com Pequim são um exemplo de construção de confiança “de uma base baixa”. Na década de 1960, o confronto entre a URSS e a China irrompeu em um conflito militar e, mais tarde, a China tornou-se um aliado de fato dos EUA. No entanto, a política mais independente de Pequim desde o final dos anos 1990 e início dos anos 2000 e a expansão dos laços comerciais e econômicos ajudaram a aproximar os dois países. Foi nessa base que surgiram os pré-requisitos para a solução definitiva das disputas territoriais e demarcação de fronteiras. É por isso que as propostas do lado japonês para encerrar o problema dos "territórios do norte" (nos termos de Tóquio) e as promessas de subsequente desenvolvimento explosivo das relações comerciais e econômicas não encontram entendimento na Rússia.

Hoje, a Rússia e o Japão estão lidando com a erosão contínua do sistema de relações internacionais, o aumento da incerteza e um declínio no nível geral de segurança. Ambos os países estão desenvolvendo uma linha estratégica de comportamento que deve levar em conta as mudanças em larga escala no cenário internacional. Tanto a Rússia quanto o Japão são forçados, de acordo com um participante da discussão, a jogar simultaneamente em dois tabuleiros de xadrez - ocidental e oriental. A habilidade dos jogadores, mas também a empatia estratégica, determinam o futuro da região, como quer que chamemos de Ásia-Pacífico ou Indo-Pacífico, e de todo o mundo.

Posts Recentes