Posts Em Destaque

Vacina russa: O segredo por trás dessa velocidade é a experiência da Rússia na pesquisa de vacinas.




Hoje, muitos meios de comunicação e políticos ocidentais questionam a velocidade da criação da vacina COVID-19 na Rússia, levantando dúvidas sobre sua eficácia e autenticidade. O segredo por trás dessa velocidade é a experiência da Rússia na pesquisa de vacinas. Desde a década de 1980, o Centro Gamaleya lidera o esforço para desenvolver uma plataforma tecnológica a partir de adenovírus, encontrados em adenóides humanos e que normalmente transmitem o resfriado comum, como “vetores” ou veículos, que podem induzir um material genético de outro vírus para uma célula. O gene do adenovírus, que causa a infecção, é removido enquanto um gene com o código de uma proteína de outro vírus é inserido. Este elemento inserido é pequeno, não é uma parte perigosa de um vírus e é seguro para o corpo, mas ainda ajuda o sistema imunológico a reagir e produzir anticorpos, que nos protegem da infecção.

A plataforma tecnológica de vetores baseados em adenovírus torna mais fácil e rápido criar novas vacinas por meio da modificação do vetor portador inicial com material genético de novos vírus emergentes. Essas vacinas provocam uma forte resposta do corpo humano a fim de construir imunidade, enquanto o processo geral de modificação do vetor e fabricação em escala piloto leva apenas alguns meses.

Os adenovírus humanos são considerados alguns dos mais fáceis de projetar dessa maneira e, portanto, se tornaram muito populares como vetores. Desde o início da pandemia de COVID-19, tudo o que os pesquisadores russos tiveram que fazer foi extrair um gene codificador do pico do novo coronavírus e implantá-lo em um vetor de adenovírus familiar para entrega em uma célula humana. Eles decidiram usar essa tecnologia já comprovada e disponível, em vez de entrar em um território desconhecido.

Os estudos mais recentes também indicam que duas injeções da vacina são necessárias para criar uma imunidade duradoura. Desde 2015, pesquisadores russos vêm trabalhando em uma abordagem de dois vetores, daí a ideia de usar dois tipos de vetores adenovirais, Ad5 e Ad26, na vacina COVID-19. Assim, enganam o organismo, que desenvolveu imunidade contra o primeiro tipo de vetor, e potencializam o efeito da vacina com a segunda injeção de um vetor diferente. São como dois trens tentando entregar uma carga importante para uma fortaleza de um corpo humano que precisa da entrega para começar a produzir anticorpos. Você precisa do segundo trem para garantir que a carga chegue ao seu destino. O segundo trem deve ser diferente do primeiro, que já foi atacado pelo sistema imunológico do corpo e já está familiarizado com ele. Portanto, embora outros fabricantes de vacinas tenham apenas um trem, nós temos dois.

Com sua abordagem de dois vetores, o Gamaleya Center também desenvolveu e registrou uma vacina contra a febre Ebola. Esta vacina foi usada em vários milhares de pessoas nos últimos anos, criando uma plataforma de vacina comprovada que foi usada para a vacina COVID-19. Cerca de 2.000 pessoas na Guiné receberam injeções de vacinas Gamaleya em 2017-18 e o Centro Gamaleya tem uma patente internacional para sua vacina de Ebola.

Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Instagram Social Icon